Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Empresas

2,1 bilhões de Reais, é o maior negócio da Odebrecht no Brasil até agora

| Editoria Empresas | 07/05/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A empresa Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) assinou um acordo com a Petrocity Portos para construir um megaporto multicargas no Espírito Santo. Com valor de obra estimado em R$ 2,1 bilhões, é o maior negócio da OEC no Brasil desde a Operação Lava-Jato. A empresa fará o estudo, projeto e construção.

 

As obras deverão começar no primeiro trimestre de 2019. Neste mês de Maio, a Petrocity entrará com o pedido de Licença Prévia e até julho com o de Licença de Instalação do empreendimento no órgão ambiental do Estado do Espírito Santo (Iema).

 

O director José Roberto Barbosa em entrevista ao Jornal Valor explicou que a Petrocity foi criada em 2013 por um grupo de investidores brasileiros e estrangeiros e conta com um fundo árabe que bancará 100% do financiamento. Por acordo de confidencialidade, os nomes não podem ser revelados até a obtenção da Licença de Instalação.

 

O denominado Complexo Portuário de São Mateus, o porto será construído no Norte do Estado e dentro da área de abrangência da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), merecerá incentivos e benefícios fiscais. “Será o primeiro porto do Sudeste dentro da região da Sudene”, afirma Barbosa.

 

O futuro porto terá área de 1,5 milhão de metros quadrados e 5,2 mil metros de cais, sendo 1,8 mil metros de cais frontal e o restante dividido entre os molhes Sul e Norte, que são dois píeres de atracação. Poderá receber grandes embarcações com calado operacional de 16 metros — caso raro em portos do Sudeste.

 

Haverá área para movimentação de contêineres, cargas rolantes, rochas ornamentais (o Espírito Santo é grande produtor), atendimento offshore e reparo naval. Cada uma dessas cargas terá um operador âncora no porto.

 

Segundo o gerente de contratos da OEC, Giorgio Bullaty, a companhia já construiu 55 portos ao redor do mundo. Alguns demandaram soluções ambientais engenhosas, como a Embraport, em Santos, da qual o braço de investimento em concessões da Odebrecht foi sócio.

 

O memorando de entendimentos assinado entre a Petrocity e a OEC prevê que a construtora prestará ajuda na obtenção das licenças usando a experiência técnica da equipe de meio ambiente. “Quando da execução das obras após as licenças teremos a exclusividade da construção” diz Bullaty.

 

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade