Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Economia

Dívida pública moçambicana mantém-se insustentável

| Editoria Economia | 14/05/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que Moçambique continua com uma divida pública insustentável, num valor afixado em 112% do Produto Interno Bruto (PIB).

A informação foi divulgada numa aula aberta realizada pela universidade Pedagógica (UP) em Maputo, onde o alto funcionário do FMI em Moçambique; Ari Aisen, foi convidado a palestrar sobre o tema “Conjuntura Económica em Moçambique- Para além das Estatísticas e Políticas Económicas”. 

O representante do FMI incentivou o executivo moçambicano a criar medidas ficais para melhorar o quadro económico. E garantiu que uma boa administração da dívida pública permitiria numa estabilidade macroeconómica à Moçambique.

"Lamentavelmente, a dívida pública está num nível insustentável, fixando-se ao redor de 112% do PIB, que é um dos indicadores usados para realmente medir a posição da dívida de um país", afirmou Ari Aisen.  

O palestrante reforçou que um esforço adicional na fiscalização, concederia lugar a uma restrição mais convincente das taxas de juro; essa minoração de juros mais rápida, permitiria uma melhoria da economia.  

Por outro lado, Ari Aisen entende que seja necessário criar reformas no ambiente de negócios como forma a permitir o rápido desenvolvimento do sector privado e a consequente geração de empregos.

O representante Residente do FMI em Moçambique fez ainda um panorama das razões que estiveram na origem da queda da economia moçambicana, destacando o surgimento de dívidas ocultas associadas às mudanças climáticas que contribuíram significativamente para escassez e subida dos preços dos produtos agrícolas.

Actualmente, o novo stock de reservas do Banco Central cobre mais de sete meses de importações, sem incluir os grandes projectos.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade