Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Saúde

Vacina Contra a Epidemia do Ébola

| Editoria Saúde | 18/05/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Uma vacina experimental contra a febre hemorrágica  de Ébola, poderá ser testada durante o mês de Junho, na República Democrática do Congo, onde o vírus reapareceu  nas últimas semanas na região nordeste do país, declarou um alto funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O epicentro da epidemia situa-se na pequena cidade de Bikoro, a dois dias de viatura da capital Kinshasa, por uma estrada caótica pela qual serão encaminhadas as equipes sanitárias com as vacinas que deverão ser conservadas a temperaturas entre –60º c e 80º graus centígrados.

Concebidas pelos laboratórios farmacêuticos Merck em 2016, a vacina revelara-se eficaz, mas aguarda a autorização para ser comercializada no mercado internacional. Com o nome de código U920, foi testada na Guiné-Conackry em 2015, durante o surto epidémico que causos 11 000 mortos.

Segundo os resultados publicados na revista científica inglesa “The Lancet” em 2017, os resultados alcançados são prometedores, indicando que das 6 000 pessoas vacinadas ( dos quais 270 crianças) nenhuma contraiu a epidemia, mesmo em contacto directo com pacientes infectados.

Uma vacina experimental contra a febre hemorrágica  de Ébola, poderá ser testada durante o mês de Junho, na República Democrática do Congo, onde o vírus reapareceu  nas últimas semanas na região nordeste do país, declarou um alto funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O epicentro da epidemia situa-se na pequena cidade de Bikoro, a dois dias de viatura da capital Kinshasa, por uma estrada caótica pela qual serão encaminhadas as equipes sanitárias com as vacinas que deverão ser conservadas a temperaturas entre –60º c e 80º graus centígrados.

Concebidas pelos laboratórios farmacêuticos Merck em 2016, a vacina revelara-se eficaz, mas aguarda a autorização para ser comercializada no mercado internacional. Com o nome de código U920, foi testada na Guiné-Conackry em 2015, durante o surto epidémico que causos 11 000 mortos.

Segundo os resultados publicados na revista científica inglesa “The Lancet” em 2017, os resultados alcançados são prometedores, indicando que das 6 000 pessoas vacinadas ( dos quais 270 crianças) nenhuma contraiu a epidemia, mesmo em contacto directo com pacientes infectados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade