Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Saúde

Vacina Contra a Epidemia do Ébola

| Editoria Saúde | 18/05/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Uma vacina experimental contra a febre hemorrágica  de Ébola, poderá ser testada durante o mês de Junho, na República Democrática do Congo, onde o vírus reapareceu  nas últimas semanas na região nordeste do país, declarou um alto funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O epicentro da epidemia situa-se na pequena cidade de Bikoro, a dois dias de viatura da capital Kinshasa, por uma estrada caótica pela qual serão encaminhadas as equipes sanitárias com as vacinas que deverão ser conservadas a temperaturas entre –60º c e 80º graus centígrados.

Concebidas pelos laboratórios farmacêuticos Merck em 2016, a vacina revelara-se eficaz, mas aguarda a autorização para ser comercializada no mercado internacional. Com o nome de código U920, foi testada na Guiné-Conackry em 2015, durante o surto epidémico que causos 11 000 mortos.

Segundo os resultados publicados na revista científica inglesa “The Lancet” em 2017, os resultados alcançados são prometedores, indicando que das 6 000 pessoas vacinadas ( dos quais 270 crianças) nenhuma contraiu a epidemia, mesmo em contacto directo com pacientes infectados.

Uma vacina experimental contra a febre hemorrágica  de Ébola, poderá ser testada durante o mês de Junho, na República Democrática do Congo, onde o vírus reapareceu  nas últimas semanas na região nordeste do país, declarou um alto funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O epicentro da epidemia situa-se na pequena cidade de Bikoro, a dois dias de viatura da capital Kinshasa, por uma estrada caótica pela qual serão encaminhadas as equipes sanitárias com as vacinas que deverão ser conservadas a temperaturas entre –60º c e 80º graus centígrados.

Concebidas pelos laboratórios farmacêuticos Merck em 2016, a vacina revelara-se eficaz, mas aguarda a autorização para ser comercializada no mercado internacional. Com o nome de código U920, foi testada na Guiné-Conackry em 2015, durante o surto epidémico que causos 11 000 mortos.

Segundo os resultados publicados na revista científica inglesa “The Lancet” em 2017, os resultados alcançados são prometedores, indicando que das 6 000 pessoas vacinadas ( dos quais 270 crianças) nenhuma contraiu a epidemia, mesmo em contacto directo com pacientes infectados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade