Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Cultura

A sul-africana que pintava com penas de galinha e fala por Whatsapp com a tribo

| Editoria Cultura | 14/06/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A convite do Festival Évora África, Esther Mahlangu, artista da tribo Ndebele que já expos no Centro Georges Pompidou e trabalhou para grandes marcas internacionais como a BMW e a Fiat, está há várias semanas na cidade alentejana para pintar um mural

A figura frágil pode enganar, mas a artista Esther Mahlangu, de uma tribo sul-africana, é uma trabalhadora incansável que, depois de colaborar com museus e pintar automóveis de marcas internacionais, assina agora um mural em Évora.

"Não posso esquecer Évora. Há muitos lugares no meu coração e vou juntar este também", diz à agência Lusa a artista, de 82 anos, na língua da comunidade Ndebele, a que pertence, mas fazendo-se entender com a ajuda de um intérprete.

Esther Mahlangu está na cidade há algumas semanas, a convite do Festival Évora África, iniciado na sexta-feira e promovido pela Casa Cadaval, Palácio de Cadaval e Power Nation, levando a Évora, até 25 de agosto, a "festa da cultura africana", com exposições, música, conferências e performances.

A pintura mural criada pela artista está no Palácio de Cadaval, a poucos metros do templo romano da cidade que é Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

"Ficaram inspirados pelo meu trabalho, foi por isso que me chamaram para vir cá. Também me sinto inspirada e adoro estar em Portugal", conta, acrescentando que só pinta porque "faz parte da cultura" a que pertence e é o seu "dia-a-dia, nada mais".

Pintada numa estrutura, a obra atrai de imediato os olhares e ocupa uma das paredes do pátio do palácio, zona aberta a visitas e onde também funciona um restaurante.

As cores, como o amarelo, rosa e azul, e as figuras geométricas assinadas por Esther, umas maiores e mais centrais, outras mais pequenas, contrastam com o branco caiado nas paredes em volta.

Sentada numa cadeira no pátio e embrulhada numa manta de riscas também coloridas, presa com um alfinete, a artista, vestida com colares e pulseiras, nos braços e nas pernas, de missangas ou de bronze e ouro, tradicionais da sua tribo, até parece pequena e frágil, mas é a grande divulgadora pelo mundo do património artístico dos Ndebele.

"A Esther foi um marco muito especial" dentro da comunidade Ndebele, no norte de Pretória, "porque tem uma contemporaneidade bastante extraordinária" e o seu trabalho "marcou diferentemente as outras pinturas da sua tribo", diz à Lusa Alexandra de Cadaval, diretora do Évora África.

Nesta tribo, conta Alexandra de Cadaval, o património artístico é transmitido de mãe para filha e, quando uma jovem chega à puberdade, aprende os padrões de missangas Ndebele e as pinturas decorativas nas casas, executadas só pelas mulheres.

"Quem a descobriu, há 35 anos, foi o curador [do festival] André Magnin. Foi à procura dela nas aldeias e descobriu, vendo a casa dela, que ela realmente tinha uma visão diferente", pela sua "maneira de pintar e utilização de cores", refere.

Com penas de galinhas como pincéis, Mahlangu transportou para telas, pratos e potes a sua arte, desenhada à mão livre, sem medições prévias, e foi através de uma exposição no Centro Georges Pompidou, em Paris (França), em 1989, que o mundo a descobriu.

"A partir daí, foi convidada mundialmente para fazer trabalhos", afirma Alexandra de Cadaval, orgulhosa do mural do palácio, que deve ser "o maior a nível mundial" da autoria da artista, que pintou ainda zonas do restaurante e peças de barro do centro oleiro de S. Pedro do Corval para serem vendidas na loja do festival: "A Esther não para de trabalhar".

A artista, que começou a pintar com 10 anos, ensinada pela avó e pela mãe, alude, com ar divertido e risos pelo meio, aos automóveis pintados para a BMW e para a Fiat, ao avião para a British Airways e aos países que já visitou e onde expôs, tudo graças à sua arte.

"Nem sequer pensei nisso, de viajar por todo o mundo através do meu trabalho", reconhece, confessando ser "apenas uma pessoa com um sonho", o de "construir uma escola de artes" na sua aldeia, para poder ensinar a arte Ndebele "a rapazes e raparigas" e manter "viva" a tradição.

Mesmo longe, a sua comunidade está sempre por perto, graças às novas tecnologias. Alexandra de Cadaval confirma-o. Neste período passado em Évora, a artista falou, "todos os dias" com a sua gente, graças ao WhatsApp.

"Ela é uma princesa" na tribo "e é ela que mantém a comunidade toda, portanto, todos os dias, é aqui uma alegria porque toda a gente da aldeia quer falar com ela", relata Alexandra, frisando: "Graças a Deus que existe o WhatsApp para ela poder falar com toda a gente".

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade