Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Cultura

ESTREIA DO FILME “A ILHA DOS CÃES” DE JORGE ANTÓNIO

| Editoria Cultura | 14/06/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Estreia do filme “A Ilha dos cães” do realizador Jorge António no primeiro ciclo de cinema Messu, rodado parcialmente em Angola e S. Tomé e Príncipe, baseado na obra do escritor angolano Henrique Abranches “Os Senhores do Areal”, reuniu a estranha singularidade de ser uma magnífica realização aclamada pela crítica cinéfila e ao mesmo tempo ser rejeitada pelas empresas de distribuição cinematográfica em Angola.

Esta obra que inclui uma das últimas interpretações do actor português Nicolau Breyner., reúne um “casting” de talentos de vários horizontes, à volta de uma matilha de ferozes cães assassinos, surreais e míticos, que impedem uma obra de caracter turístico, os avatares do passado e da natureza versus a modernidade no sentido contemporâneo.

Jorge António começou adolescente a sua aprendizagem com filmes de 8m/m e super 8, aderindo muito cedo à actividade cineclubista de ingressar na Escola Superior de Arte e Cinema em 1988, onde se especializou na Produção cinematográfica, trabalhando posteriormente com Cunha Teles e Paulo Branco em Portugal, somando actividades periféricas  sempre à volta da filmografia angolana.

Realizou com Maria do Carmo Piçarra e Maria João Ganga, “Angola, nascimento de uma Nação”, “ Funeral” e “Miradouro da Lua” que são marcos do cinema angolan.

O ciclo  Messu ( do quimbundo Jikulamessu) apresenta uma mostra de vários filmes de realizadores angolanos, António Ole,  Orlando Fortunato, Ruy Duarte., e outros sob a égide  “A Independência e os Filhos da Independência.”

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade