Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2018

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

ÁFRICA

EXPLOSÃO URBANA EM ÁFRICA: SEUS DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUNDO

Agricultura: Os desafios do século XXI

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Política

Trump bate com a porta ao Conselho dos Direitos Humanos

| Editoria Política | 28/06/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Donald Trump reforça a sua política isolacionista e unilateral em relação à comunidade internacional, após ter “rasgado” os acordos de comércio internacional e desencadeado a guerra das tarifas aduaneiras, chegou a vez de bater a porta do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, anunciou a embaixadora americana desta organização Nikki Haley.

Ladeada de Mike Pompeu, secretário de Estado americano, Haley não poupou palavras duras contra esta organização que acusou de “hipócrita” e “egoísta” e permanente “fonte de embaraços” para os Estados Unidos, no mesmo momento em que a política americana é acusada de grosseiras violações sobre as recentes medidas migratórias.

Esta medida não apanha de surpresa a comunidade internacional, pois mais que uma vez os Estados Unidos tinham brandido esta ameaça na ONU, mas foi o fracasso da tentativa de remodelação profunda que visava excluir este órgão a China, Irão, Egipto, RD Congo e Sudão do Sul, sob a acusação de violações de Direitos Humanos (mas esquecendo a Árábia Saudita, Isrrael e Iémen, que levou Nikki Haley, a anunciar esta decisão.

A antiga diplomata americana Suzanne Nossel, veterana das antigas administrações americanas respondeu, que não existiam “organizações perfeitas nas relações multilaterais”, e que CDH, tinha cumprido excelentes de trabalho de inquérito na Birmânia, no Burundi e no Sudão do Sul, atenuando conflitos e injustiças étnicas.

Alguns especialistas onusinos, apontam que a causa mais próxima da demissão americana, tem a ver com as acusações contra a política de Israel , em relação aos palestinianos e territórios ocupados, e que merece todo o apoio dos Estados Unidos.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade