Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Política

Violência étnica faz dezenas de mortos no Mali

| Editoria Política | 28/06/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Trinta e duas pessoas de etnia Peul foram massacrados friamente por “caçadores tradicionais” (os dozos) na aldeia de Koumaga , no centro do Mali, noticia a a agência France Press.

Os “dozos”, como são conhecidos na África do Oeste, pertencem à etnia Dogon e Bambara, que são por tradição agricultores, e intensificam nos últimos três anos, ataques aos Peus, que se dedicam secularmente à pastorícia e à criação de gado.

“Eles cercaram a aldeia, separaram a população de outras etnias, e começaram a matar friamente membros da comunidade Peul”, afirmou uma testemunha do massacre.

A região central é palco nos últimos anos de ataques jihadistas , pelo que estas acções poderão ser manipuladas e planeadas para aprofundar tensões étnicas em proveito do movimento terrorista apadrinhado pela Al-Qaeda e suas ramificações regionais.

Para agravar o conflito, é preciso relembrar a recente descoberta de fossas comuns com dezenas de cadáveres, atribuídas ao exército maliano, que se encontram actualmente sob inquérito.

O exército maliano foi acusado nos últimos dias de ter mortos vários Peuls, na fronteira com o Burkina Faso no quadro da sua luta contra a rebelião terrorista, e que mais se provou ter sido uma acção precipitada.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade