Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Política

Violência étnica faz dezenas de mortos no Mali

| Editoria Política | 28/06/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Trinta e duas pessoas de etnia Peul foram massacrados friamente por “caçadores tradicionais” (os dozos) na aldeia de Koumaga , no centro do Mali, noticia a a agência France Press.

Os “dozos”, como são conhecidos na África do Oeste, pertencem à etnia Dogon e Bambara, que são por tradição agricultores, e intensificam nos últimos três anos, ataques aos Peus, que se dedicam secularmente à pastorícia e à criação de gado.

“Eles cercaram a aldeia, separaram a população de outras etnias, e começaram a matar friamente membros da comunidade Peul”, afirmou uma testemunha do massacre.

A região central é palco nos últimos anos de ataques jihadistas , pelo que estas acções poderão ser manipuladas e planeadas para aprofundar tensões étnicas em proveito do movimento terrorista apadrinhado pela Al-Qaeda e suas ramificações regionais.

Para agravar o conflito, é preciso relembrar a recente descoberta de fossas comuns com dezenas de cadáveres, atribuídas ao exército maliano, que se encontram actualmente sob inquérito.

O exército maliano foi acusado nos últimos dias de ter mortos vários Peuls, na fronteira com o Burkina Faso no quadro da sua luta contra a rebelião terrorista, e que mais se provou ter sido uma acção precipitada.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade