Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Ambiente

Alterações climáticas detonador de novos conflitos

| Editoria Ambiente | 24/07/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

As alterações climáticas que atingem e perturbam vastas zonas do planeta são o detonador de novos conflitos e emigrações, advertiu o ex-presidente Barack Obama, durante a sua intervenção recente no Climate Change Leadership, que se desenrolou no Porto em Junho passado sob os auspícios do Porto Protocol, evento centrado nas questões ecológicas do planeta.

A falta de água nas zonas mais áridas da Síria forçou êxodo das populações rurais e contribuiu para a interminável guerra civil; a seca extrema na América Central e a consequente carência de alimentos forçam milhares de migrantes a tentarem entrar nos Estados Unidos; na África subsaariana, as mudanças aceleradas de clima empurram milhões de pessoas para as grandes cidades e para as margens do Mediterrâneo com o fito de chegarem às costas europeias.

Estes factos perturbadores que fazem recear um futuro assustador, levaram a Obama a uma dissertação e uma leitura dos impactos do aquecimento global na geopolítica mundial, e com difícil grelha de soluções políticas quando a actual presidência americana dispensa o multilateralismo, despreza ciência e promove o nacionalismo e o proteccionismo económico.

Se o diagnóstico é pessimista, Obama deixa uma palavra de esperança para África. “Técnicamente, há respostas para aumentar a produtividade da agricultura em 35%”, acrescentando que a grande aposta está na juventude mundial, muito mais consciente dos problemas que envolvem a Humanidade.

Para accionar todas as energias a favor de um combate mais eficaz contra as degradações climáticas, o mundo teria de superar dramas políticos, já presente no Acordo de Paris, que Trump “rasgou”, disse Obama, sublinhando que começa a escassear um “espaço para o compromisso” nas democracias ocidentais.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade