Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Política

Sudão do Sul, o último acordo de Paz?

| Editoria Política | 02/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Os eternos rivais do Sudão do Sul –o presidente Salva Kir e seu vice-presidente, Risk Machar—assinaram um novo acordo de paz em Karthoum, capital da Republica do Sudão, mediado pelo presidente anfitrião Omar el-Bechir e Yoweri Museveni,  do Uganda, sob o olhar circunspecto e cépticos de todos os observadores internacionais, que nos últimos anos assistiram a diversos acordos do mesmo género que foram imediatamente desrespeitados pelas duas partes.

Menos de dois anos após a independência em 2011, e do referendo que conduziu à independência do Sudão do Sul, os confrontos começaram entre os partidários de Salva Kir, apoiado fortemente pela etnia Dinka, maioritária no país, e os apoiantes de Machar, apoiada pela tribo Nuer, rapidamente descambou numa feroz guerra civil que devastou o país.

Este último acordo envolve uma declaração para a constituição de um novo exército nacional, que integre forças beligerantes, fora do contexto de filiação étnica, capaz de criar um clima favorável à reconstrução das infra-estruturas destruídas, nomeadamente dos campos petrolíferos e melhorar a situação de extrema pobreza no país.

A guerra precipitou a fuga de centenas de milhares de refugiados para os países vizinhos, e empurrou duas 2,5 milhões de pessoas para o limiar da sobrevivência. A Oxfam denuncia atrocidades recentes cometidas pelas forças de ambos os lados, dentro de um país com tradições de “limpezas étnicas” e incursões para a captura de escravos.

“Este acordo paz, não resolve tudo imediatamente” afirmou Brian Adelaz, da fundação Enough Project, com sede em Washington, “mas observamos que pela primeira vez existe um cessar-fogo que esperamos que não seja quebrado”.

As duas alas que se digladiam no Sudão do Sul, emergiram do Movimento Popular de Libertação do Sudão do Sul (MPLSS), e das diferenças históricas regionais já pré-existentes sob o domínio colonial, que forjaram uma identidade nacional de forma artificial, entre o norte muçulmano que se estende na paisagem desértica sahariana e o sul cristão e animista, de florestas e savanas que se estende pelo Nilo Superior com uma geografia humana próximas dos Grandes Lagos orientais.

No Sudão do Sul encontram-se 75% das reservas petrolíferas do antigo Sudão, sobretudo na região de Abyei, que contribuem com 98% das receitas do país, sendo o norte (hoje denominada República do Sudão) utilizada fundamentalmente como território de passagem dos oleodutos até Port Sudan, situada no Mar Vermelho, a 575 quilómetros de Khartoun.

Considerado um dos conflitos mais longos do mundo, que com breves intervalos de paz , dura desde a independência em 1956, fortemente influenciada por alianças internacionais e regionais. A antiga URSS apoiou o Sudão na Luta contra o Sul, enviando milhares de conselheiros e armamento, para depois mais tarde apoiar o regime etíope de Hailé Marian, o que obrigou o Sudão a tecer alianças com a China, actualmente com fortes investimentos petrolíferos no sul.

Com uma economia devastada, o Sudão do Sul, a mais jovem nação africana apresenta todas as características de um “estado falhado”, figura na lista dos países mais corruptos do mundo, e lidera o Indíce Global da Fome, com a população mais faminta do planeta em 2013.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade