Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Política

Kabila escolhe Emmanuel Ramazani Shadary como candidato presidencial

| Editoria Política | 09/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 

Depois de manter uma expectativa até última hora sobre o seu futuro político, o presidente Joseph Kabila indicou nesta quarta-feira, 8, em Kinshasa, o antigo ministro do interior, Emmanuel Ramazani Shadary, como candidato às eleições presidenciais de 23 de dezembro do ano em curso.

Shadary é o secretário permanente do Partido do Povo para a Reconstrução e a Democracia (PPRD).É considerado como um dos principais homens de confiança de Joseph Kabila, responsável pela articulação entre todas as forças que integravam a Frente Comum Pelo Congo. Natural da província de Maniema, Emmanuel Shadary já foi vice-primeiro-ministro e ministro do Interior.

Segundo Lambert Mende, porta-voz do executivo de Joseph Kabila, Emmanuel Shadary é o candidato consensual da plataforma Frente Comum para o Congo (FCC) liderada pelo actual presidente da RDC.

Impedido de procurar um terceiro mandato sob a constituição da República Democrática do Congo, Kabila está no poder desde que sucedeu seu pai, Laurent-Désiré Kabila quando este foi assassinado em 2001.

A decisão do presidente acaba por pôr fim ao período de incerteza que pairava até ao momento sobre o seu futuro político bem como o futuro da RDC, país ameaçado pela instabilidade política.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade