Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Agricultura: Os desafios do século XXI

| Editoria | 15/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por: Luigi Leone

Desde a sua «invenção» há cerca de 10 000 anos o objetivo da agricultura foi de garantir uma alimentação suficiente, em quantidade e qualidade, á humanidade de forma a permitir a espécie humana de crescer e de se desenvolver. Objetivo plenamente alcançado já que a população mundial se aproxima dos oito mil milhões, mas atualmente um de cada sete habitantes do planeta adormece sem saber se comerá amanha. E a situação pode agravar-se.

 

A AGÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALIMENTAÇÃO E A AGRICULTURA (FAO) alerta: em 2017 o número de pessoas que sofrem de subalimentação cronica aumentou de 38 milhões, depois de ter diminuído de mil para 795 milhões entre 1990 e 2015. Se a inversão de tendência se confirma o objetivo «Fome Zero» incluído no Programa de Desenvolvimento Sustentável (PDS) aprovado em 2015 pelos 193 países membros da ONU para o período 2015-2030 não será cumprido, arrastando os outros 16 indicadores do programa, com especial incidência para a luta contra a pobreza, a melhoria da saúde e da educação e a defesa do ambiente.

Há causas conjunturais aos maus resultados de 2017. Em primeiro lugar, os conflitos armados, internos e internacionais. 489 dos 795 milhões que passaram fome em 2016 eram são vítimas de guerra, com os refugiados e deslocados á cabeça e a sua situação continuou a se deteriorar no ano seguinte, mesmo se as previsões mais catastróficas não se confirmaram no Sudão do Sul, Somália, Nigéria ou no Bangladesh. As catástrofes naturais – secas, inundações, tufões, pragas – deram o seu contributo, com a destruição de colheitas e gado.

Mas os investigadores da FAO detetaram, atras destes «acidentes», sinais de evolução mais lenta, mas inexorável, que requerem intervenções políticas nacionais e globais.

A primeira é a diminuição das terras agrícolas. Depois da corrida as terras virgens (oeste americanos, Sibéria) do seculo XIX e primeira metade do século XX, as superfícies disponíveis para a agricultura e a pecuária encolhem em proporção ao crescimento demográfico: de 0,45 há por habitante em 1960 para 0,25 há em 2015, período durante o qual a população mundial duplicou.

 

(Leia o artigo na integra na edição nº 130 da Revista África 21, mês de Julho)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade