Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

+ Angola

Extensão rural em Angola: antecedentes, experiências recentes e desafios

| Editoria + Angola | 15/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por: José Maria Katiavala

Nos anos 60 e 70 do século XX a Revolução Verde constitui-se no principal motor das medidas de política agrícola seguida pelos países em vias de desenvolvimento. Beneficiando dos avanços registados na química agrícola e na genética, a Revolução Verde teve como âncora a utilização de agroquímicos e variedades de plantas e raças de animais altamente produtivas, o que, sem dúvida, proporcionou ganhos extraordinários na produção de alimentos.  

A extensão rural representou o veículo privilegiado de transferência de tecnologias desenvolvidas pelos institutos de pesquisa junto dos produtores rurais e, por isso mesmo, durante vários anos foi vista como a solução mágica para resolver os problemas da produção agrícola e do mundo rural em geral. No auge da Revolução Verde, a extensão rural centrou a sua acção na difusão de novas técnicas agrícolas e de maneio animal, visando o aumento da produtividade das culturas e criações.

Com efeito, a abordagem vincadamente tecnicista, produtivista e difusionista da extensão rural ignorou outras dimensões do processo de desenvolvimento, sobretudo a preocupação com a valorização do conhecimento e da experiência prática dos camponeses acumulados ao longo do tempo. Este determinismo modernizador da extensão rural acabou, em muitos casos, por subverter a racionalidade sociotécnica dos sistemas agrícolas endógenos baseados na maximização do capital ecológico disponível nas explorações (terra, pastos, água, sementes, animais), tornando-os dependentes dos insumos externos.

(Leia o artigo na integra na edição nº 130 da Revista África 21, mês de Julho)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade