Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Sociedade

Nigéria com aldeia onde homens e mulheres falam línguas diferentes

| Editoria Sociedade | 23/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Em ubang, uma comunidade agrícola no sul da Nigéria, homens e mulheres falam línguas diferentes. Eles veem essa diferença singular como “uma bênção de Deus”, mas à medida que mais jovens partem para pastos mais verdes e a língua inglesa se torna mais popular, há preocupações de que ela não sobreviva, relata Yemisi Adegoke, numa entrevista à BBC.

Não está claro que proporção de palavras são diferentes nas duas línguas e não há um padrão, como se as palavras são comumente usadas, relacionadas ou ligadas a papéis tradicionais para homens ou mulheres.

“É quase como dois léxicos diferentes. Há muitas palavras que homens e mulheres têm em comum e outras que são totalmente diferentes do sexo. Elas não soam parecidas, não têm as mesmas letras”, diz o antropólogo Chi Chi Undie, que estudou a comunidade, acrescentando que as diferenças são muito maiores do que por exemplo, versões inglesas e americanas do inglês.

Segundo um morador de Ubang, Oliver Ibang, homens e mulheres são capazes de se entender perfeitamente, isso porque os meninos crescem falando a língua feminina, pois passam a maior parte de sua infância com suas mães e outras mulheres. “Aos 10 anos de idade, espera-se que os meninos falem a “língua masculina”, diz ele.

Oliver Ibang explica ainda que há um estágio que o menino alcançará e ele descobre que não está a usar sua linguagem correta. Ninguém lhe dirá que ele deveria mudar para a língua masculina.

“ Quando ele começa a falar a língua dos homens, você sabe que a maturidade está entrando nele. Se uma criança não muda para o idioma correto até uma certa idade, ela é considerada “anormal”, diz Ibang.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade