Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

Kofi Annan terá um funeral de Estado na sua terra natal

| Editoria Política | 29/08/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Kofi Annan, ex-secretário-geral da ONU e Nobel da Paz, vai ser enterrado no dia 13 de Setembro com honras de Estado no Ghana, seu país  natal, anunciou na passada sexta-feira, 24, o Presidente ghanense, Nana Akufo-Addo.

O Governo ghanense fica encarregado das cerimónias e o corpo de Annan vai ser enterrado num novo cemitério militar da capital do país, Accra. O Presidente Akufo-Addo afirmou que esse cemitério é considerado “o lugar mais apropriado para que Kofi Annan descanse”.

“É um funeral de Estado, portanto a responsabilidade das regras é do Estado ghanense. Será um acontecimento muito importante para o nosso país e espera-se a presença de inúmeros Chefes de Estado e autoridades mundiais”, informou o Presidente, que disse ter mantido contacto com a família do ex-diplomata.

A ONU também prepara homenagens paralelas. Para o Presidente do Ghana, Kofi Annan foi um dos homens mais ilustres da sua geração. “Ele era como um irmão mais velho para mim. Deu-me muitos conselhos de como lidar com questões sensíveis, era, portanto, alguém importante na minha vida”, garantiu ainda Akufo-Addo.

Annan morreu no dia 18 de Agosto do ano em curso após uma “breve doença” num hospital da Suíça, segundo anunciou a família. O primeiro líder subsaariano da ONU entrou na organização em 1962 e chegou à Secretaria-Geral em 1997, função que desempenhou até 2006. 
Em 2001, recebeu o prémio Nobel da Paz partilhado com a ONU pelo “trabalho por um mundo mais organizado e pacífico”.

Após o anúncio da morte de Annan, na véspera do seu 80º aniversário, o Ghana declarou uma semana de luto nacional, e todas as bandeiras do país  a meia haste.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade