Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Cultura

A revolução dos arquitetos africanos

| Editoria Cultura | 10/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O zimbabueano Mike Pearce compara as fachadas de vidro e aço, tão em voga atualmente em Africa com «igloos no Sahara». A sua obra emblemática, o Eastgate Shopping Center de Harare, consome dez vezes menos energia que os modelos clássicos porque o arquiteto se inspirou do sistema utilizado pelas térmitas para manter a temperatura constante nos montes de salalé sem precisar de refrigeração.

Ignorados na sua própria terra – 9 em cada 10 edifícios construídos em Africa foram projetados por gabinetes estrangeiros ou por engenheiros – os arquitetos africanos brilham à escala mundial. A figura de referência é «Sir David Adjaye», britânico nascido na Tanzânia de pais ganenses, escolhido por Barak Obama para conceber o Museu Nacional da Cultura Afro-Americana. A sua aposta consiste em reconciliar tradição e modernidade para uma arquitetura e um urbanismo adaptados as realidades, geográficas, climáticas e humanas, do continente. A receita? Utilizar materiais como os tijolos, crus ou cozidos, o barro, o banco, a madeira ou o bambu, e técnicas de construção locais que deram bons resultados, mas foram abandonados, como a construção sobre pilotis e os duplos tetos, para favorecer a ventilação e recolher a água das chuvas. Não se trata, obviamente, de encher as cidades de cubatas. Mas quem disse que os edifícios em terra não podem ser tão altos e são menos resistentes que os de betão? E são, comprovadamente, mais ecológicos, menos «energivoras» e …mais baratos, alem de requerer uma mão-de-obra abundante e pouco especializada e poucas máquinas. Exemplo: a grande mesquita de Djenné, no Mali, o maior edifício do mundo em adobe, construída em …1280 e classificada pela UNESCO como Património da Humanidade.

 

(Leia o artigo na integra na edição nº 131 da Revista África 21, mês de Agosto)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade