Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Sociedade

Luanda, a qualidade de vida que se espera

| Editoria Sociedade | 10/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por J. A. Rangel

Falar sobre urbanismo em Luanda é desfiar o enorme rosário de males urbanísticos. O futuro está cheio de desafios para os problemas de uma cidade que não pára de crescer desordenadamente. É preciso pensar, preparar respostas. Recomenda-se “operações extremamente traumáticas”.

Trazer qualidade de vida para os oito milhões de luandenses é o maior desafio do momento. Para grandes males, grandes remédios; e o remédio chama-se “demolição”. “Tem de haver demolições, infelizmente”, sentencia o engenheiro Manuel Resende de Oliveira, numa entrevista ao Jornal de Angola. Antigo ministro do Urbanismo, Obras Públicas e Construção na I República, Resende de Oliveira não tem dúvida sobre a questão: “Há construções nos bairros periféricos onde as populações utilizaram terrenos que estavam aparentemente disponíveis. Mas são linhas de água que têm de ser respeitadas, porque, tapando-as com construções, estamos a criar problemas e não a resolver problemas de ninguém.”

As construções nas periferias da cidade, apelidadas de “anárquicas” pela administração pública, terão de ser demolidas. É na periferia que todos os desmandos públicos vão parar. Edifícios de betão armado de quatro a cinco andares em cima de uma linha de água não faz sentido. “Tem de ir abaixo”. É preciso respeitar a natureza, as linhas de água estavam lá porque “eram necessárias para o escoamento das águas pluviais”. Agora, quando chove, todos sabem como ficam os bairros Cazenga, Sambizanga, Rangel, Viana e outros.

Demolir as construções indevidas e ordenar o território luandense é o lema. E o que fazer com os luandenses apanhados pelo camartelo? Devem ser convidados a ir habitar outros locais, no litoral ou no interior, onde podessem desfrutar de melhores condições e qualidade de vida. Mas ele avisa: não deve ser uma saída compulsiva, mas voluntária e atractiva: com empregos, equipamentos sociais e desportivos, creches, escolas, universidades, zonas de lazer, empregos – tudo. “É possível viver melhor noutros locais que não Luanda. Digo mesmo que hoje Luanda é o pior sítio para viver em Angola”, garante Resende de Oliveira.

(Leia o artigo na integra na edição nº 131 da Revista África 21, mês de Agosto)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade