Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Estudos

Adolescentes africanas forçadas a ter relações sexuais em troca de comida

| Editoria Estudos | 13/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Golpes, estupros, casamentos forçados, prostituição e sequestros são o pão de cada dia para milhares de adolescentes do continente africano.

“A lista de abusos e violência sofridas por meninas na região do lago Chade, palco de um dos piores conflitos no continente africano, é assustadora”. A afirmação é da organização Plan Internacional que apresentou hoje, 13 de setembro, na Nigéria, uma estudo que entrevistou 449 adolescentes entre os 10 e 19 anos de idade, denominado “Adolescentes em Situação de Emergência: Vozes do Lago Chad”.

A pesquisa foi realizada no Níger, Nigéria e Camarões, três dos quatro países que fazem fronteira com o lago Chade e os mais afetados pela violência do grupo radical BokoHarame a resposta repressiva do Exército nigeriano.

"Isso confirma a necessidade urgente de criar programas com os quais defender os direitos das meninas e efetivamente atender às suas necessidades específicas, por idade e sexo. Pedimos às instituições públicas e sociais que forneçam fundos suficientes para os planos de proteção das meninas presas nesta crise, que são altamente expostas à violência ", diz Concha López, CEO da PlanInternational na Espanha.

Um dos aspectos mais reveladores da investigação é que boa parte de toda essa violência é exercida dentro de casa por familiares e parentes próximos. Assim, uma em cada dez meninas (8%) sofreu abuso sexual no último mês, mais da metade em casa e um quarto na escola. Além disso, uma em cinco foi espancada, 60% delas em casa. Por esse motivo, 34% das adolescentes afirmam que se sentem inseguras em sua própria casa.

Quinze por cento das meninas afirmaram ser casadas ou eram casadas, número que chega a 48% para adolescentes nigerianas entre 15 e 19 anos. Essa alta taxa de casamento infantil está intimamente relacionada à alta proporção de gravidez na adolescência, que sobe para 11%.

Um terço das inquiridas afirmou nunca ter frequentado a escola e a razão foi quase sempre devido a encargos domésticos, enquanto 62% das raparigas disseram que tinham ido para a cama com fome pelo menos uma vez no último mês. Sequestros e violência sexual se tornaram uma moeda comum, especialmente para as adolescentes que perderam seus pais ou que não moram com eles. 30,56% das meninas entrevistadas, muitas das quais trabalham como domésticas, são assediadas e estupradas por seus empregadores.

Para muitas das meninas sequestradas por BokoHaram e em seguida libertadas, como com mais de cem meninas Chibok, o drama se transforma em pesadelo por serem forçadas a ter relações sexuais em troca de comida para si e para as filhas que tiveram durante o cativeiro. "Não podemos permitir que as jovens que conseguiram sobreviver a inúmeras atrocidades estejam sozinhas e sem ajuda", disse HussainiAbdu, diretor-geral daPlan Internacional na Nigéria.

Segundo o relatório da Plan Internacional, o desejo da maioria das adolescentes entrevistadas é ir à escola e continuar sua formação. No entanto, o conflito e a crise humanitária associada intensificaram a prática de casamentos prematuros e muitas delas são obrigadas a casar aos 15 anos. Isso ocorre porque esses casamentos organizados são uma fonte de renda para a família dasadolescentes.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade