Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Saúde

Zimbabwé: Cólera já fez 25 mortos e 700 novos casos relatados

| Editoria Saúde | 14/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Aumentou para 25 o número de mortes devido ao surto de cólera no Zimbabwé, com 700 novos casos relatados e um total de 3.766 confirmados, informou quinta-feira, 13 de Setembro, o ministro da Saúde e Assistência Infantil, Obadiah Moyo.

“ O número de casos continua a subir, ontem (quarta feira), tínhamos 3.067 e hoje (quinta-feira) subiu para 699 casos”, disse Moyo.

O recém-nomeado ministro pediu aos cidadãos zimbabueanos para que parem de culpar o governo e se concentrem em acabar com esta catástrofe devastadora que ameaça espalhar-se para outras partes do país. “ Não estamos atirar a culpa para os outros. Este não é um jogo de culpa. Vamos trabalhar juntos e estar no topo da situação”, declarou o governante.

O MDC é responsável pelo Conselho Municipal de Harare, que é acusado de não fornecer água corrente e de não recolher o lixo de áreas residenciais regularmente, enquanto o governo também foi acusado de ser o autor das actuais dificuldades macroeconómicas que trouxeram a pobreza entre os zimbabueanos e tornou difícil para as autoridades locais funcionarem sem falhas.

“Está-se a tratar do saneamento, há necessidade de mais apoio aos conselhos locais”, disse o ministro.

O surto foi atribuído à falta de saneamento, à proliferação da venda de alimentos nas ruas, bem como à contínua falta de limpeza, o que obrigou os moradores em alguns casos, a recorrer a poços inseguros para suprir necessidades.

O governo declarou o surto um estado de emergência e proibiu ainda mais todas as formas de reuniões públicas nas tentativas de controlar a disseminação da doença.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade