Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Saúde

Zimbabwé: Cólera já fez 25 mortos e 700 novos casos relatados

| Editoria Saúde | 14/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Aumentou para 25 o número de mortes devido ao surto de cólera no Zimbabwé, com 700 novos casos relatados e um total de 3.766 confirmados, informou quinta-feira, 13 de Setembro, o ministro da Saúde e Assistência Infantil, Obadiah Moyo.

“ O número de casos continua a subir, ontem (quarta feira), tínhamos 3.067 e hoje (quinta-feira) subiu para 699 casos”, disse Moyo.

O recém-nomeado ministro pediu aos cidadãos zimbabueanos para que parem de culpar o governo e se concentrem em acabar com esta catástrofe devastadora que ameaça espalhar-se para outras partes do país. “ Não estamos atirar a culpa para os outros. Este não é um jogo de culpa. Vamos trabalhar juntos e estar no topo da situação”, declarou o governante.

O MDC é responsável pelo Conselho Municipal de Harare, que é acusado de não fornecer água corrente e de não recolher o lixo de áreas residenciais regularmente, enquanto o governo também foi acusado de ser o autor das actuais dificuldades macroeconómicas que trouxeram a pobreza entre os zimbabueanos e tornou difícil para as autoridades locais funcionarem sem falhas.

“Está-se a tratar do saneamento, há necessidade de mais apoio aos conselhos locais”, disse o ministro.

O surto foi atribuído à falta de saneamento, à proliferação da venda de alimentos nas ruas, bem como à contínua falta de limpeza, o que obrigou os moradores em alguns casos, a recorrer a poços inseguros para suprir necessidades.

O governo declarou o surto um estado de emergência e proibiu ainda mais todas as formas de reuniões públicas nas tentativas de controlar a disseminação da doença.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade