Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Política

Presidente moçambicano pede mais apoio para reintegração da RENAMO

| Editoria Política | 26/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, solicitou na terça-feira, 25, na sua intervenção na Assembleia-Geral das Nações Unidas, que decorre em Nova Iorque, mais apoio da comunidade internacional.

Além de apelar por mais ajuda para desmobilizar os antigos homens armados da RENAMO, Nyusi pediu também que continue a assistência financeira para resolver um assunto que classifica como “complexo”.

"Não se ergue com a mesma facilidade o que se derrubou. Por isso, para se trabalhar na paz, reconciliação e no desenvolvimento, apelamos para que mais assistência seja dada para materialização do processo de desarmamento, desmobilização e reintegração de elementos residuais que em breve terá início no país", pediu.

O chefe de Estado moçambicano frisou que há "consenso no país" e realçou os "passos firmes", resultantes do diálogo político, dados para uma paz duradoura e sustentável. E destacou os esforços de descentralização e a revisão da lei eleitoral, com vista à redução de conflitos e o aprofundamento da democracia.

"Pretendemos realizar eleições gerais sem qualquer partido armado, como aconteceu em ciclos anteriores", sublinhou Nyusi, acrescentando que como prova de que Moçambique é a favor da democracia, em outubro terão lugar eleições municipais, com a participação de vários partidos e associações da sociedade civil.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade