Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Política

Guiné-Bissau: PGR apela ao “fair-play” político e pede aos políticos para evitarem “denúncias infundadas”

| Editoria Política | 28/09/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Procurador-Geral da República, Bacar Biai, chamou a atenção esta quinta-feira, 27, aos políticos guineenses sobre a necessidade de “fair-play político, evitando denúncias infundadas”.

Na abertura de um seminário sobre a “Corrupção Eleitoral”, organizado pela Associação Guineense Anti-Corrupção, Bacar Biai afirmou que a corrupção eleitoral é um “atentado aos meios jurídicos existentes” no exercício do poder político, pelo que qualquer conduta tendente ao seu condicionamento tanto no período da sua preparação bem como no período da sua realização deve merecer a censura geral.

“ Os riscos da corrupção eleitoral são enormes numa sociedade como a nossa em que as eleições é uma questão de vida ou morte. Quem perde, perde tudo, quem ganga, ganha tudo. Por isso, manipulações económicas da vontade livre dos cidadãos no exercício de direito do sufrágio é um perigo para paz social, factor de descredibilização dos órgãos eleitos e do próprio Estado de direito”, disse, sublinhando que o direito do sufrágio é um direito fundamental, internacional e regional e ordinariamente consagrado pelo que a corrupção eleitoral é um crime praticado contra a personalidade do Estado do direito democrático e contra o interesse político do próprio cidadão.

Para Bacar Biai, num país como a Guiné-Bissau em que a pobreza extrema atinge sectores importantes da sociedade guineense, os cidadãos são “presas fáceis” de condicionamento do sentido do voto via aliciamento.

Bacar Biai disse também que a corrupção eleitoral é a génese da corrupção económica, na medida em que constitui um incentivo a este. Por isso, reafirmou o seu compromisso ao “combate serrado” a este fenómeno, independentemente dos adjectivos que lhe são imputados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade