Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

| Editoria Política | 02/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Amável Fernandes

A “nação do arco íris” (rainbow nation), que foi um slogan político da época pós-apartheid e que sintetizava os sonhos de Nelson Mandela da convivência multirracial na África do Sul, arrisca-se hoje a ser um projecto falhado, e posto de lado pela nova geração sul-africana que exige uma “segunda transição” política que lhe reparta mais benefícios que aqueles que lhe foram dados ao longo dos últimos 21 anos.

A CHAMADA GERAÇÃO “BORN FREE” que nasceu após a abolição do aparheid em 1991, e que conhecem de cor a história da luta contra a opressão da supremacia branca, pensa que não ganhou nada com isso. Agora, e de forma egoísta, quer tudo e já, desdenhando dos ideais de Mandela e da sociedade da igualdade de direitos entre negros e brancos. Ela revindica uma “nova consciência negra” (new black consciousness), que abre o caminho para um novo racismo como ideologia política, segundo alguns comentaristas.

As primeiras vozes de protesto vieram das universidades, que teve como marco simbólico, a deposição da estátua de Cecil Rhodes, na Universidade do Cabo, ao que se seguiram outras remoções semelhantes, passando a seguir pelas marchas contra a subida das propinas escolares, para continuar com as exigências de mais professores negros nos estabelecimentos de ensino, sem ter a atenção focada em currículos e qualidade do ensino.

(Leia o artigo na integra na edição nº 132 da Revista África 21, mês de Setembro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade