Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Política

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

| Editoria Política | 02/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Amável Fernandes

A “nação do arco íris” (rainbow nation), que foi um slogan político da época pós-apartheid e que sintetizava os sonhos de Nelson Mandela da convivência multirracial na África do Sul, arrisca-se hoje a ser um projecto falhado, e posto de lado pela nova geração sul-africana que exige uma “segunda transição” política que lhe reparta mais benefícios que aqueles que lhe foram dados ao longo dos últimos 21 anos.

A CHAMADA GERAÇÃO “BORN FREE” que nasceu após a abolição do aparheid em 1991, e que conhecem de cor a história da luta contra a opressão da supremacia branca, pensa que não ganhou nada com isso. Agora, e de forma egoísta, quer tudo e já, desdenhando dos ideais de Mandela e da sociedade da igualdade de direitos entre negros e brancos. Ela revindica uma “nova consciência negra” (new black consciousness), que abre o caminho para um novo racismo como ideologia política, segundo alguns comentaristas.

As primeiras vozes de protesto vieram das universidades, que teve como marco simbólico, a deposição da estátua de Cecil Rhodes, na Universidade do Cabo, ao que se seguiram outras remoções semelhantes, passando a seguir pelas marchas contra a subida das propinas escolares, para continuar com as exigências de mais professores negros nos estabelecimentos de ensino, sem ter a atenção focada em currículos e qualidade do ensino.

(Leia o artigo na integra na edição nº 132 da Revista África 21, mês de Setembro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade