Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

| Editoria Política | 02/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 

Por Luigi Leoni

ABIY AHMED, COLOCADO EM abril, aos 42 anos, á cabeça do governo etíope, apos a demissão do seu antecessor Hailemariam Delassegn, Abiy Ahmed surpreende pela rapidez e a profundidade das reformas empreendidas no seu próprio país e da geoestratégia do Corno de África.

Potencia regional, com mais de 107 milhões de habitantes, a Etiópia é raramente sob os holofotes da imprensa internacional que se habituou a considerar o pais anfitrião da sede da União Africana como um modelo de estabilidade politica desde o derrube do regime comunista de Mengistu Haile Mariam e de sucesso económico, com um crescimento anual de mais de 8 % do PIB há mais de uma década. No poder desde 1991, a Frente Democrática Revolucionaria do Povo Etíope (FDRPE) conservou o controlo político apos a morte do seu líder carismático Meles Zenawi (em 2012) apesar da hegemonia da elite tigreana (etnia que pesa apenas 6% da população) sobre um país que é um mosaico étnico e religioso. Mas desde as eleições de 2015 – em que o FDRPE e os seus aliados conquistaram 546 dos 547 lugares no parlamento de Addis Abeba (que elege o Presidente e o Primeiro Ministro) uma violenta crise etno-política abalou o país, obrigando o FDRPE a renunciar a mano de ferro que foi a sua marca de fabrico nas relações com a (s) oposição (ões). A rebelião, iniciada pelos Oromo (a maior etnia do país, parcialmente islamizada, segundada pelos Amharas (cristãos coptas) deu lugar a manifestações violentamente reprimidas em 2015-2016, com cerca de um milhar de mortos e milhares de presos, mas estilhaçou a estrutura federal da FDRPE, que empurrou Delassegn para a demissão ao mesmo tempo que decretava o estado de emergência.

 

A nomeação de Abiy Ahmed foi vista como o prenúncio de uma «mudança na continuidade». Ligado a FDRPE desde a adolescência, este ex-militar com 20 anos de carreira e patente de tenente-coronel, ex-responsável dos serviços de segurança e especialista em cibersegurança, o novo primeiro-ministro tinha tudo para tranquilizar os detentores do poder, político e económico, e os seus parceiros estrangeiros.

(Leia o artigo na integra na edição nº 132 da Revista África 21, mês de Setembro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade