Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Uma sucessão em dois actos

| Editoria Política | 02/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por José A. Rangel

Dois homens, dois destinos numa história de sucessão em dois actos. O primeiro aconteceu há um ano e José Eduardo dos Santos entregava as rédeas do poder da República a João Lourenço. O segundo acto acaba de acontecer no Centro Cultural de Belas, em Luanda, perante mais de dois mil delegados do VI Congresso Extraordinário do MPLA e José Eduardo dos Santos cedia o alto facho aceso a João Lourenço, pondo fim a um período de bicefalia, que levantou muitas polémicas no país político e foi desgastante para a imagem do segundo presidente de Angola e quarto do MPLA.

Os destinos dos dois maiores protagonistas dessa sucessão é também uma questão de história. Um abandona definitivamente a vida política e o outro toma o poder quase absoluto; um vai para a solidão política, o outro entra para fazer vingar a narrativa da mudança no que o “corrigir o que está mal” é a sua expressão mais emblemática. Um, 76 anos, é o sembante do desgaste político e institucional de um homem que governou o país (38 anos) e mandou no partido durante 39 anos em condição de líder absoluto e incontestável. O outro, 63 anos, tem ainda um longo caminho a percorrer…

A imagem repete a cena de há um ano: é contagiante. O vermelho, amarelo e preto dominam a sala, que o branco das cadeiras não interfere. Os rostos dos miltantes é a expressão de um estado de expiação política, quase uma catarse. Uns escondem as emoções, outros tentam mostrar calma e serenidade. Se enquanto durou a polémica bicefalia (que vai continuar nas províncias) os camaradas se haviam crispado entre “eduardistas” e “lourencistas”, sobretudo alimentada pela militância das redes sociais, a situação agora fazia crer numa zona cinzenta de actuação política. Talvez os “eduardistas” mais empedernidos – buscando a sobrevivência política e o prestígio social na República – se renderam ao novo líder dos “camaradas” e preferiram não levantar ondas.

Os clichês políticos da moda, com efeitos apaziguadores para a ocasião, não se fizeram rogar: “uma transição pacífica”, “um exemplo para a África e o mundo”, “uma mudança exemplar”, “mais uma vez estamos a provar maturidade política”, “transferência pacífica do poder”, “lição de democracia” fizeram as delícias da propaganda oficial e do discurso da militância.

(Leia o artigo na integra na edição nº 132 da Revista África 21, mês de Setembro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade