Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Homem preso por racismo contra presidente sul-africano

| Editoria Política | 02/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Kessie Nair, de nacionalidade indiana, foi preso após ter feito um comentário racista no Youtube contra o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa.

Pesam contra Kessie Nair os crimes de ” incitamento à violência, injúria à dignidade pessoal das pessoas humanas”. A família de Nair, alega que ele sofre de perturbação mental e que necessita com urgência de cuidados médicos.

No vídeo que se tornou viral nas redes sociais, Kessie Nair chama o presidente Ramaphosa de “kaffir” um expressão com conotação racial, de origem inglesa, usada durante o apartheid na África do Sul. Segundo Nair, o presidente sul-africano deveria ser acusado por “defraudar a nação”, por “oprimir os sul-africanos” e por crimes de “alta traição”. 

Kessie Nair vai mais longe, culpando  o Presidente da República de ser o único responsável pelo “alto índice de criminalidade” que afecta o país e por “liderar uma democracia que se especializou em promover a pobreza e impedir as pessoas de terem acesso ao tratamento médico”.
Casos de racismo têm preocupado o Governo sul-africano
e para combatê-lo, as autoridades governamentais prometem ter “mão dura” contra todos que pretenderem “dividir os sul-africanos”.                             

 De recordar que África do Sul tem um historial trágico de racismo e xenofobia, sendo os mais memoráveis o apartheid de 1948 e recentemente ataques xenófobos em 2008.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade