Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Alpha Condé atribui responsabilidade a França pelo atraso económico da Guiné-Conakry

| Editoria Política | 03/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente guineense Alpha Condé, atribuiu culpa a França pelas dificuldades que o seu país atravessa desde a independência de 1959.

Em entrevista que concedeu aos jornalistas franceses da TV%, RFI e do Le Monde, dois dias antes do sexagésimo aniversário da independência da Guiné, Condé indignou-se contra uma questão relacionada ao não “arranque da economia do seu país”. “ O atraso económico da Guiné é da responsabilidade dos seus chefes de Estado, mas é também da França da época. Quando assumimos a independência em 58, da noite para o dia, todos os executivos franceses saíram, a Guiné permaneceu sem quadros”, respondeu.

“ Quiseram aniquilar economicamente o povo da Guiné”, acusou Condé, acrescentando que “ Não se deve esquecer também, que a Guiné foi colocada em quarentena (…), foi necessário que a União Soviética e a China viessem ajudar a Guiné, todos os franceses tinham partido, não tínhamos quadros”, concluiu o presidente.

A Guiné foi o primeiro país da África ao Sul do Sahara a obter a sua independência da França, depois de ter votado pelo “não” no dia 28 de Setembro de 1958, durante o referendo que instituiu a “Comunidade franco-africana” do general Charles De Gaulle.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade