Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Especial Brasil Eleições

Especial Brasil: Candidato de Lula da Silva luta para garantir vaga no segundo turno

| Editoria Especial Brasil Eleições | 04/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

                                                                                                                                                                                Por Celso Marcondes

 Fernando Haddad, ex-ministro da Educação de Lula da Silva em seus dois governos, é quem hoje reúne mais possibilidades de ser o representante dos democratas neste primeiro turno das eleições de 7 de outubro.

Em segundo lugar em todas as pesquisas eleitorais, Haddad está atrás do capitão reformado do Exército, Jair Bolsonaro, candidato da extrema-direita. Entretanto, aparece bem à frente de todos os outros onze postulantes à presidência. Os brasileiros definirão neste domingo quais os dois nomes irão para o segundo e decisivo turno no dia 28.

Não vingaram até aqui nenhuma das articulações e esforços para o fortalecimento de um dos candidatos de direita ou de “centro”, uma “terceira via” que se opusesse ao mesmo tempo a Haddad, do Partido dos Trabalhadores, de esquerda, e a Bolsonaro, um militar com claras características fascistas.

Fracassaram os dois candidatos do atual presidente Michel Temer, que chegou ao poder em 2016 graças a um golpe parlamentar que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, eleita em 2014. Geraldo Alckmin e Henrique Meirelles, representantes dos partidos tradicionais de direita, PSDB e MDB, têm apresentado índices inexpressivos nas pesquisas. Eles perderam muitos eleitores para a extrema-direita em função da profunda crise econômica que atinge o país, a onda de violência urbana e as seguidas denúncias de corrupção que atingiram seus partidos e o PT.

Após as últimas pesquisas eleitorais divulgadas nos dias 1 e 2 de outubro, a expectativa é que ainda mais eleitores dos candidatos de centro e de direita migrem para Jair Bolsonaro.

Haddad agora luta com dificuldades para garantir sua vaga. Defensor do legado do ex-presidente Lula da Silva, ele enfrenta o bombardeio dos demais candidatos que não querem a volta do PT ao poder.

Nesta quinta-feira, 4, acontecerá o último e decisivo debate entre os candidatos, na TV Globo, a emissora de maior audiência no país. Também foi intensificada a campanha nas ruas. No último final de semana, milhares de brasileiros participaram de manifestações contra e a favor do candidato de extrema-direita.

Esses e outros fatos novos que ainda podem surgir vão influenciar milhões de eleitores que se declaram indecisos até aqui e podem trazer mudanças importantes nos resultados.

São dias de enorme expectativa no Brasil, jamais vistos nas eleições anteriores desde o processo de redemocratização iniciado na década de 1980.

 África 21 online vai acompanhar diariamente essa semana de campanha no Brasil, com Celso Marcondes é conselheiro do Instituto Brasil-África e do Instituto Lula, do qual foi diretor e coordenador para a África de 2011 a 2016.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade