Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Política

Guiné-Bissau: Quatro partidos com assento parlamentar recusam encontro com Presidente José Mário Vaz

| Editoria Política | 04/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Quatro dos cinco partidos políticos com assento no Parlamento guineense (PAIGC, PCD, UM e PND) recusaram, esta quarta-feira, 3 de outubro, o convite formulado pelo Presidente da República, José Mário Vaz, para participarem de um encontro para análise do desenrolar do recenseamento eleitoral em curso na Guiné-Bissau.

Numa carta aberta assinada pelos Presidentes dos referidos partidos, os opositores esclarecem que sua posição sobre a matéria do recenseamento eleitoral deve ser emitida junto ao Governo, que por sua vez, poderá transmitir ao chefe de Estado, no estrito respeito pela Constituição da República bem como ao princípio da separação de poderes e independência dos órgãos de soberania do Estado.

“Com todo o respeito pelo Órgão de Soberania que é o Presidente da República e com o intuito de continuar a promover uma gestão governativa coerente e disciplinada no país, os partidos com assento parlamentar, por iniciativa de Sua Excelência Senhor Primeiro-Ministro, em busca de soluções consensuais para todas as fases que constam do cronograma do Processo Eleitoral, têm mantido encontros regulares sobre esta problemática, conforme reza o artigo 10° da Lei do Recenseamento Eleitoral: É da competência do Governo, através da sua estrutura de apoio ao Processo Eleitoral, a organização e direção do recenseamento eleitoral”, lê-se na carta.

Apesar da posição assumida de não fazer parte do encontro, os partidos assinantes da carta manifestaram a sua firmeza em colaborar para que a data de 18 de Novembro, marcada para a realização das eleições legislativas, seja respeitada.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade