Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Sociedade

Grupos armados mataram 90 pessoas em Moçambique

| Editoria Sociedade | 04/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Um total de 90 pessoas morreram e 67 ficaram feridas desde o início dos ataques protagonizados por grupos armados em aldeias da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, em um ano. A informação foi avançada esta quinta-feira, 4 de outubro, pelo comandante-geral da polícia de Moçambique, Bernardino Rafael.

“ Os malfeitores, até neste momento, causaram a morte de 90 cidadãos moçambicanos e feriram 67 moçambicanos”, disse o comandante, acrescentando que os grupos armados demoliram um total de 1.605 casas em aldeias da província de Cabo Delgado.

Segundo o comandante-geral da PRM, as Forças de Defesa e Segurança moçambicana têm trabalhado para proteger as populações. No decorrer das acções detiveram 289 pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques e destruíram três acampamentos dos grupos armados.

Os grupos que têm atacado as aldeias nunca fizeram nenhuma reivindicação nem deram a conhecer as suas intenções, mas investigadores sugerem que a violência está ligada a redes de tráfico de heroína, marfim, rubis e madeira.

Povoações distantes da província de Cabo Delgado, situada entre 1.500 a 2.000 quilómetros a norte de Maputo, têm sido atacadas por desconhecidos desde 05 de outubro de 2017, provocando um número ainda desconhecido de deslocados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade