Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Sociedade

Grupos armados mataram 90 pessoas em Moçambique

| Editoria Sociedade | 04/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Um total de 90 pessoas morreram e 67 ficaram feridas desde o início dos ataques protagonizados por grupos armados em aldeias da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, em um ano. A informação foi avançada esta quinta-feira, 4 de outubro, pelo comandante-geral da polícia de Moçambique, Bernardino Rafael.

“ Os malfeitores, até neste momento, causaram a morte de 90 cidadãos moçambicanos e feriram 67 moçambicanos”, disse o comandante, acrescentando que os grupos armados demoliram um total de 1.605 casas em aldeias da província de Cabo Delgado.

Segundo o comandante-geral da PRM, as Forças de Defesa e Segurança moçambicana têm trabalhado para proteger as populações. No decorrer das acções detiveram 289 pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques e destruíram três acampamentos dos grupos armados.

Os grupos que têm atacado as aldeias nunca fizeram nenhuma reivindicação nem deram a conhecer as suas intenções, mas investigadores sugerem que a violência está ligada a redes de tráfico de heroína, marfim, rubis e madeira.

Povoações distantes da província de Cabo Delgado, situada entre 1.500 a 2.000 quilómetros a norte de Maputo, têm sido atacadas por desconhecidos desde 05 de outubro de 2017, provocando um número ainda desconhecido de deslocados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade