Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

A Tanatopolítica - fragmentos

Luís Carlos Patraquim | Editoria | 04/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Luís Patraquim

Achille Mbembe designa a tanatopolítica como necropolítica. É um conceito operativo importante que abarca vários territórios: da colonialidade ao neoliberalismo predatório, do poder soberano – suas realidades e ficções -, à biopolítica… que é onde estamos. Os arquipélagos da identidade são a metáfora espácio-temporal do corpo a ser e a possuir seja como redenção seja como cicatriz. Na pós-colonialidade a identidade, que o discurso hegemónico do poder político dissemina, funciona tantas vezes como uma espécie de deus ex-machina que jugula os vazos comunicantes da produção e troca de sentidos e mumifica os símbolos ainda permeáveis à mobilidade de que o tempo é feito, sempre em relação.

A necropolítica elaborada por Achille Mbembe articula a biopolítica formulada por Foucault, acrescentada por Robert Esposito e outros, à análise de Franz Fanon sobre as múltiplas formas da violência colonial que as sociedades pós-coloniais vão metamorfosear operando, via instância teleológica e messiânica, em novas estratégias de dominação, as que conhecemos nas nossas sociedades africanas, de que o afropolitanismo (outro conceito que A. Mbembe explora) se pretende libertar e propor como uma espécie de regulação entre aporias endógenas e a abertura aos mundos, os todos, de dentro e de fora.

A necropolítica induz-nos a uma “gestão” da morte como imperativo da vida e dissemina, a uma escala predadora e assassina, o monopólio da violência que é o múnus do Estado. Embora o Estado seja hoje o menos e o mais do que a filosofia política pensou dele. Na revolução tecnológica que nos “liberta” e “domina, o Estado é um concentrado das análises políticas “tradicionais”, do Absoluto hegeliano à expressão de classe, da “impiedade” hobbesiana” ao strawberryfields das assumpções libertadoras, do pasmo histórico dos labirintos das muitas solidões ao “sobressalto da respiração” que o poema comporta, despido de toda a épica, com uma nova causa primeira que o assola, diluído que está o demiurgo platónico, metamorfoseado hoje esse demiurgo no algoritmo, esse abre-te sésamo que é o novo trono de todas as dominações e a jubilação da razão instrumental.

A tanatopolítica, nesta descrónica, é o nosso storytelling quotidiano.O termo será sinistramente pomposo. A tanatopolítica que preside às esquinas dos nossos dias vividos e inventados concretiza-se numa task-force que nos instila a ameaça e com ela o medo e com ele a modulação e categorização dos comportamentos, das elocuções e dos valores. É um precipitado que o bloco hegemónico nacional mobiliza em operações de execução do que considera ser o desvio da norma. É preciso dizer que a norma é um concentrado de legitimação histórica, já petrificada no tempo, de um momento libertador, aquele que abriu a possibilidade de outrar a vida e a isso radiantemente chamámos momento de libertação, proclamadas independências, país.

Nada é mais complexo do que a gramática, as gramáticas, da nossa libertação. No meu país e nos dias que decorrem entre iluminações e assombramentos, o percurso vem sendo por demais sinuoso. Circundam-nos outros campos de trânsito. As circunvalações da delimitação e violenta antinomia colonial escarificam com novas cicatrizes o corpo-puzzle das nossas libertações. O institucional dança ao sabor das informalidades que cobrem com uma velatura os interesses partilhados entre poucos, doados à predação global, apresentados como realizações de uma estratégia desenvolvimentista que exclui.

(Leia o artigo na integra na edição nº 132 da Revista África 21, mês de Setembro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade