Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Sociedade

Nobel da Paz 2018 vai para RDC e Iraque

| Editoria Sociedade | 08/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Denis Mukwege, ginecologista congolês, 63 anos, e Nadia Mura, activista iraquiana, 25 anos, foram laureados com o Prémio Nobel da Paz de 2018 na cidade de Oslo, Noruega.

O Comité Norueguês do Nobel decidiu atribuir a estas duas personalidades o Nobel da Paz pelos seus esforços na luta contra a violência sexual durante a guerra ocorrida nos seus países.

Denis Mukwege durante a guerra civil que assolou a RDC tratou cerca de 30 mil mulheres vítimas de violências sexuais no Leste da República Democrática do Congo (RDC) e denunciou ao mundo a barbárie sexual contras as mulheres naquela região.

Formado em medicina pela Universidade de Bunjumbura, Burundi, entre 1976 e 1983.

Em 1984 ganhou uma bolsa de estudo da “Swedish Pentecostal Mission”, tendo-se especializado no mesmo ramo, pela Universidade de Angers, França.

Em Outubro de 2010, a Universidade de Umea (Suécia) o nomeou doutor “honoris causa”. No mesmo ano, recebeu a medalha Wallenberg da Universidade de Michigan (Estados Unidos).

Denis Mukwege adquiriu o grau de doutor em Ciências médicas pela Universidade Livre de Bruxelas, no dia 24 de Setembro de 2015, onde defendeu a tese de doutoramento com o tema “Etiologia, classificação e tratamento das fístulas traumáticas urolo-genitais”

Nádia Mura é desde 2016 “a primeira Embaixadora da Boa Vontade para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico Humano das Nações Unidas”. Em 2014, Nadia foi mantida em cárcere, pelo grupo Estado Islâmico, tendo conseguido escapar mais tarde. Em 2016, Nádia partilhou o prémio “Sakharov” para liberdade de pensamento com Lamiya Bashar.

Desde a sua criação em 1901, o Prémio Nobel já foi atribuído 98 vezes, dessas nomeações, 104 foram à pessoas e 24 à organizações. O Comité Internacional da Cruz Vermelha lidera, tendo recebido o prémio três vezes (1917, 1944 e 1963). Em 1954, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados foi distinguido duas vezes, em 1954 e 1981.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade