Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Sociedade

Nobel da Paz 2018 vai para RDC e Iraque

| Editoria Sociedade | 08/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Denis Mukwege, ginecologista congolês, 63 anos, e Nadia Mura, activista iraquiana, 25 anos, foram laureados com o Prémio Nobel da Paz de 2018 na cidade de Oslo, Noruega.

O Comité Norueguês do Nobel decidiu atribuir a estas duas personalidades o Nobel da Paz pelos seus esforços na luta contra a violência sexual durante a guerra ocorrida nos seus países.

Denis Mukwege durante a guerra civil que assolou a RDC tratou cerca de 30 mil mulheres vítimas de violências sexuais no Leste da República Democrática do Congo (RDC) e denunciou ao mundo a barbárie sexual contras as mulheres naquela região.

Formado em medicina pela Universidade de Bunjumbura, Burundi, entre 1976 e 1983.

Em 1984 ganhou uma bolsa de estudo da “Swedish Pentecostal Mission”, tendo-se especializado no mesmo ramo, pela Universidade de Angers, França.

Em Outubro de 2010, a Universidade de Umea (Suécia) o nomeou doutor “honoris causa”. No mesmo ano, recebeu a medalha Wallenberg da Universidade de Michigan (Estados Unidos).

Denis Mukwege adquiriu o grau de doutor em Ciências médicas pela Universidade Livre de Bruxelas, no dia 24 de Setembro de 2015, onde defendeu a tese de doutoramento com o tema “Etiologia, classificação e tratamento das fístulas traumáticas urolo-genitais”

Nádia Mura é desde 2016 “a primeira Embaixadora da Boa Vontade para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico Humano das Nações Unidas”. Em 2014, Nadia foi mantida em cárcere, pelo grupo Estado Islâmico, tendo conseguido escapar mais tarde. Em 2016, Nádia partilhou o prémio “Sakharov” para liberdade de pensamento com Lamiya Bashar.

Desde a sua criação em 1901, o Prémio Nobel já foi atribuído 98 vezes, dessas nomeações, 104 foram à pessoas e 24 à organizações. O Comité Internacional da Cruz Vermelha lidera, tendo recebido o prémio três vezes (1917, 1944 e 1963). Em 1954, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados foi distinguido duas vezes, em 1954 e 1981.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade