Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Sociedade

Governo moçambicano expulsou 164 professores em um ano

| Editoria Sociedade | 23/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Ministério de Educação e Desenvolvimento Humano de Moçambique expulsou do aparelho do Estado, nos últimos 12 meses, 164 professores, por prática de várias irregularidades que atentam contra a imagem do sector e comprometem o desenvolvimento do país.

A revelação é da ministra de Educação e Desenvolvimento Humano, Conceita Sortane, que aponta a corrupção, assédio sexual, falsificação de certificados de habilitações literárias e desvio de fundos como as principais causas que ditaram o afastamento de docentes.

A ministra deu a conhecer estas noticias recentemente, em Chimoio, durante o balanço da visita que efectuou a província de Manica, tendo na ocasião lançado um apelo aos profissionais do sector para pautar por um comportamento responsável no exercício das suas funções e a evitar  actos que afectem negativamente do professor em particular e do  sector em geral.

"Nosso governo é por uma educação que promove a transmissão de valores em que o saber ser, estar, fazer e, também, saber viver juntos constituem principais pilares para formação do homem. Aliás, é necessário apostar em tudo isso porque é lá onde adquirimos conhecimento. O professor deve promover estes valores todos e distanciar-se de actos que atentam contra a imagem do sector e comprometem sobremaneira o desenvolvimento de uma nação", disse a ministra.

Acrescentou que "está é a via ideal para construção de uma nação próspera e por um desenvolvimento sustentável para todos moçambicanos. Por isso, o professore deve ser o espelho da sociedade, não promotor do mal. Nós como governo continuaremos atentos para identificar esses profissionais que apresentam condutas duvidosas e poderão ser penalizados".

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade