Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Economia

Aumentam crimes de natureza económica em Angola

| Editoria Economia | 24/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O director – geral do Serviço de Investigação Criminal (SIC), Eugénio Pedro Alexandre, revelou esta terça-feira, 23 de outubro, que os crimes de natureza económica têm aumentado em Angola, entre eles o branqueamento de capitais, contrabando, fuga ao fisco, peculato, fraude financeira, burla por defraudação, especulação e venda e garimpo de diamantes.

As declarações do comissário-chefe avançadas pelo “Jornal de Angola” foram feitas em Luanda, à margem da primeira conferência internacional sobre fraudes e delitos económicos em Angola, que decorre no Centro de Convenções de Talatona.

Eugénio Alexandre informou ainda que o SIC está a investigar diariamente diversos processos relacionados com crimes de peculato e branqueamento de capitais, que envolvem gestores públicos, tendo acrescentado que os processos que envolvem ministros e ex-ministros, as averiguações não estão a ser realizadas pela instituição que dirige e sim pela Procuradoria Geral da República.

De acordo com o director-geral do SIC, muitos indícios de crimes económicos têm sido investigados diariamente e os respectivos processos são encaminhados ao Ministério Público, alguns dos quais já julgados pelos diversos tribunais espalhados pelo país.

O comissário-chefe informou ainda que nos casos em que há toda a necessidade de se localizar um indivíduo, para que possa prestar declarações sobre um determinado crime e que este se encontre no exterior do país, a instituição e a Polícia Nacional activam a colaboração que existe com a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) e com a Sarpcco, para facilitarem as autoridades angolanas na localização do visado.

Eugénio Alexandre declarou que todos os cidadãos que eventualmente escapam das autoridades angolanas e refugiam-se no exterior, a sua localização será mais fácil, pela boa cooperação existente. “As pessoas pensam que estão escondidas, mas temos formas de localizar, ainda que seja nosso dever respeitar a legislação internacional, em termos de detenção e repatriamento”, disse.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade