Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Presidente dos Camarões reeleito pela sétima vez

| Editoria Política | 24/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Paul Biya garantiu o seu sétimo mandato consecutivo nas eleições presidenciais dos Camarões. Controverso, já é um dos chefes de Estado mais antigos do mundo.

Biya está no poder há 36 anos. Aos 85 anos, deverá tomar posse novamente como chefe de Estado deste país da África Ocidental. Na última segunda-feira (22.10), os resultados oficiais da votação de 7 de outubro começaram a ser divulgados pelo Tribunal Constitucional, que é dominado por partidários de Paul Biya, no Governo desde 1982.

 

Segundo estes resultados, Biya obteve 71,28% dos votos, consolidando-se, assim, como o segundo líder de África há mais tempo no poder, depois do Presidente Teodoro Obiang, da Guiné Equatorial. Os resultados das eleições deste ano são ligeiramente menores que os da última eleição, em 2011, quando Biya ganhou 78% dos votos. 

 

Nos camarões são muitas as reações à reeleição de Paul Biya. Para Partido Comício Democrático do Povo dos Camarões, no poder, o triunfo do Presidente é uma confiança renovada da população. No entanto, e antes da divulgação, a oposição rejeitou os resultados.

 

Quanto à oposição, rejeita os resultados como afirmou à RFI, Maurice Kamto, líder do MRC, Movimento para o Renascimento dos Camarões. "Rejeitamos categoricamente esses resultados fabricados. E rejeitamos reconhecer a legitimidade do Chefe de Estado. Esperamos ficar perto do povo camaronês para defender com ele a vitória que obteve. Vamos utilizar todos os direitos que temos para restabelecer a verdade das urnas".

 

De acordo com as estatísticas oficiais, mais de 3 milhões e 500 mil eleitores dos cerca de 6 milhões e 600 mil registados votaram, fazendo uma taxa de participação de 53.85%.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade