Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Sociedade

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

| Editoria Sociedade | 25/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por João Seles

Nos últimos anos multiplicou-se o debate entre o conceito de Estados “falhados” ou “frágeis”, que teve o benefício real na imprensa e nos meios universitários de chamar a atenção sobre certos países com necessidades específicas, resultante de conflitos internos ou crises económicas fruto de má governação, e despertar a comunidade internacional para um estudo mais aprofundado das lógicas de desenvolvimento.

AS FREQUENTES LISTAS INTERNACIONAIS de “estados falhados” constituem também um anátema e uma arma de arremesso ideológica, um rótulo que impede uma análise mais profunda das razões que o levaram a este estatuto, na maior das vezes eivado da “superioridade ocidental e de um passado imperialista”.

Um Estado “frágil” resulta muitas das vezes de uma geografia política e física difícil, cheia de constrangimentos de vária natureza que levam o seu tempo a amenizar, com uma “duração” intrínseca na construção de um Estado moderno nos moldes aceites internacionalmente. Já Estado “falhado” é definido pelo Departamento Internacional Britânico, dentro da sua filosofia pragmática, como um Estado que não pode ou não consegue realizar as suas principais funções para com a maioria do povo, incluindo os mais pobres.

As principais razões de um Estado falhado resultam de vários processos, e têm como origens: transição de descolonização mal conseguida; incapacidade de construir uma identidade nacional sólida; conflitos de grandes proporções ou guerrilhas que gangrenam o território nacional e da incapacidade de manter a ordem pública, em consequência de criminalidade transnacional.

Como diz a investigadora Susan Woodword, é impossível entender a realidade de um Estado “falhado” sem levar em consideração factores internos e externos e ter em consideração a referência de um modelo de Estado; quer dizer que se torna necessária uma observação descritiva e perspectiva, o que inevitavelmente despertam preconceitos e conceitos de “ordem civilizacional”.

 

(Leia o artigo na integra na edição nº 133 da Revista África 21, mês de Outubro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade