Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Sociedade

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

| Editoria Sociedade | 25/10/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Pedro Vila Nova

Se em África existe um domínio em desenvolvimento galopante sem qualquer paralelo com o passado, este passa-se no domínio religioso, do místico e da espiritualidade. O continente africano tornou-se a nova terra prometida de todas as igrejas, de todas as crenças, que encontram na liberdade de culto um terreno fértil para a sua receptividade no seio das populações empobrecidas e muitas vezes esquecidas de qualquer política social por parte das elites governativas.

Em 1972, o pensador alemão Anders Gunther atacou fortemente as três religiões deístas e criacionistas (o judaísmo, o cristianismo e o islamismo) por, através de numerosas seitas e igrejas, espalharem uma espécie de toxicomania por vezes numa lógica de poderes e afrontamentos em proveito de mordomias sociais e materiais a favor de um “clero” manipulador e sem escrúpulos.

Um recente estudo sobre crenças e práticas religiosas aponta a existência de 10 religiões principais no mundo inteiro, e 10.000 seitas em disputa da “salvação das almas”, das quais 6000 em África, 1207 nos Estados Unidos, 421 no Japão e 247 em território francês, além de inúmeras braços do hinduísmo e do budismo, presentes em toda a Ásia.

A palavra seita vem do verbo latim “secare” (segar) e define a seita como um grupo que se desligou de uma igreja largamente estabelecida; outros remontam a palavra ao latim “sequir” (seguir), ou seja, a ruptura em torno do novo líder, profeta ou mentor religioso. Na verdade, as grandes igrejas começaram por ser, na maior parte dos casos, seitas antes de ganharem o estatuto de respeitabilidade de Igrejas.

A proliferação de seitas (ou pequenas igrejas) em África é o produto directo de uma crise da civilização ocidental e da sociedade de consumo em particular, da incapacidade das novas elites governativas de promoverem uma ascensão social das classes empobrecidas que formam a cintura das grandes cidades, sem condições básicas de ordem sanitária, desprovida de todos os suportes de infra-estrutura educacional e flagelada por uma alta taxa de desemprego.

(Leia o artigo na integra na edição nº 133 da Revista África 21, mês de Outubro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade