Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Sociedade

Unicef preocupada com as mais de 80 mil crianças congolesas repatriadas por Angola

| Editoria Sociedade | 01/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef) revelou que mais de 80 mil crianças congolesas foram repatriadas por Angola desde o final de setembro. As crianças estavam entre os 330 mil congoleses retirados do país devido a “ Operação Transparência”, que tem como objectivo o combate ao garimpo de diamantes e a imigração ilegal.

A agência da ONU afirmou ao “ VOA Portugal” que essas crianças, muitas das quais viveram maior parte das suas vidas em Angola, estão a enfrentar situações muito difíceis, ao caminharem sob o mau tempo e terem pouco para comer e beber, além de se encontrarem expostas a actos de violência.

O porta-voz da Unicef, Christophe Boulierac, partilhou também a preocupação existente sobre possíveis epidemias derivadas desta situação. “ Houve uma crise de desnutrição muito grave em Kasai, província congolesa, e estas crianças estão numa situação muito difícil devido às condições de vida de Angola. Algumas delas sofrem de hipoglicemia. E pode haver um aumento da desnutrição que torna a criança mais vulnerável a todos os tipos de doenças”, explicou.

Boulierac referiu ainda que as doenças malária, cólera e sarampo são os principais motivos de preocupação, tendo informado igualmente que a Unicef está a tentar encontrar os familiares das crianças que se separaram das suas famílias.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade