Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Sociedade

Unicef preocupada com as mais de 80 mil crianças congolesas repatriadas por Angola

| Editoria Sociedade | 01/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef) revelou que mais de 80 mil crianças congolesas foram repatriadas por Angola desde o final de setembro. As crianças estavam entre os 330 mil congoleses retirados do país devido a “ Operação Transparência”, que tem como objectivo o combate ao garimpo de diamantes e a imigração ilegal.

A agência da ONU afirmou ao “ VOA Portugal” que essas crianças, muitas das quais viveram maior parte das suas vidas em Angola, estão a enfrentar situações muito difíceis, ao caminharem sob o mau tempo e terem pouco para comer e beber, além de se encontrarem expostas a actos de violência.

O porta-voz da Unicef, Christophe Boulierac, partilhou também a preocupação existente sobre possíveis epidemias derivadas desta situação. “ Houve uma crise de desnutrição muito grave em Kasai, província congolesa, e estas crianças estão numa situação muito difícil devido às condições de vida de Angola. Algumas delas sofrem de hipoglicemia. E pode haver um aumento da desnutrição que torna a criança mais vulnerável a todos os tipos de doenças”, explicou.

Boulierac referiu ainda que as doenças malária, cólera e sarampo são os principais motivos de preocupação, tendo informado igualmente que a Unicef está a tentar encontrar os familiares das crianças que se separaram das suas famílias.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade