Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Política

Etiópia: Uma mulher nomeada Presidente da República

| Editoria Política | 01/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A duas câmaras do parlamento etíope, elegeram Sahle Word Zewa, para o cargo de presidente da República, tornando-se assim a única mulher a exercer esta função no continente africano, depois da demissão de Mulatu Teshame, um ano antes do fim do seu mandato.

Diplomata de carreira, Sahle Work, de 68 anos, tornou-se a primeira mulher a desempenhar estas funções na Etiópia, após a adopção da constituição civilista de 1995, que prevê dois mandatos de seis anos, com poderes reduzidos em favor do cargo de primeiro- ministro.

A nova presidente era até à sua tomada de posse, secretária-geral das Nações unidas para a União Africana, uma colaboradora íntima do secretário-geral da ONU, António Guterres, tendo antes desempenhado do cargo de embaixadora em França, Djibouti e Senegal, para além do papel de Autoridade Intergovernamental do Bloco Económico Regional da África Oriental (GNI).

No seu discurso de abertura no parlamento, saudou os esforços políticos de abertura democrática do primeiro-ministro Abiy Ahmed, que tomou as suas funções em Abril último, e a sua decisão de formar um governo em que metade das pastas ministeriais a mulheres, inclusive a pasta da Defesa.

“ Se as mudanças alcançadas na Etiópia forem conduzidas por mulheres, este esforço contribuirá para uma Etiópia livre de descriminação étnica, religiosa e de géneros”, afirmou ela no parlamento.

Antes de da sua nomeação, o parlamento demitiu o antigo presidente, por razões que têm que ver com o equilíbrio de forças entre os quatro partidos coligados na Frente Revolucionária do Povo Etíope (EPRDF) no poder nos últimos vinte anos, afirmam vários especialistas.

Abiy Ahmed, primeiro- ministro, tem impulsionado uma ampla abertura, que levou à desarticulação de guerrilhas internas, libertação de prisioneiros s políticos e negociações de paz com a vizinha Eritreia.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade