Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Saúde

Cólera mata cerca de 175 pessoas no noroeste da Nigéria

| Editoria Saúde | 13/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cerca de 175 pessoas morreram no noroeste da Nigéria vítimas do vírus da cólera e pelo menos dez mil estão afectadas, anunciou na terça-feira,12, o porta-voz do Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC).

O porta-voz do Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC, siglas em inglês) classificou a progressão do contágio de “salto dramático” em poucos dias. “A doença está a espalhar-se rapidamente nos campos de deslocados que têm acesso limitado a instalações sanitárias decentes", disse Janet Cherono, líder do projecto do NRC em Borno.

As regiões mais afectadas são Adamawa, Yobe e Borno, este último controlado por Boko Haram.

Devido ao surto causado pelo vírus da cólera, o sofrimento da população no noroeste da Nigéria aumentou consideravelmente na terça-feira, com a detecção de mais dez mil casos.

Na origem da epidemia está aconcentração elevada da população  nos acampamentos de refugiados, o que dificulta a provisão de água potável para o consumo humano e a implementação de medidas de higiene.

A Nigéria é o país mais populoso de África, tem uma população estimada em 180 milhões de habitantes. Segundo o presidente da Nigéria Muhammadu Buhari, um quarto da população não tem acesso a casas de banho e “o acesso a água canalizada” reduziu de 32%, em 1990, para 7% em 2015."No entanto, ninguém prestou a devida atenção a este problema, a julgar pelo grande número de doenças relacionadas com a água que se desenvolvem no nosso território", lamentou Buhari.

De acordo com o porta-voz do NRC, caso as autoridades não tomarem providências, alargando o território de campos de refugiados internos, a Nigéria registrará outro surto de cólera em 2019.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade