Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Sociedade

Inaugurada em Maputo a maior ponte suspensa de África

| Editoria Sociedade | 13/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, inaugura no dia 10, a ponte Maputo-Katembe, a primeira ponte sobre a baía da capital moçambicana e a maior travessia suspensa de África.

A ponte foi financiada e construída pela China, um empreendimento “chave na mão” que arrancou há quatro anos com um valor base de 785 milhões de dólares que Moçambique começa a pagar a partir de 2019.

O investimento incluiu a construção de 200 quilómetros de estradas, tais como a via circular à capital e a ligação à Ponta do Ouro, junto à fronteira com a África do Sul (incluindo outras cinco pontes mais pequenas).

A ponte Maputo-Katembe tem um tabuleiro suspenso de 700 metros e duas rampas com pouco mais de um quilómetro cada, atravessando a baía a 60 metros de altura da água – suficiente para sob ela navegarem os cargueiros que passam pelo porto de Maputo.

A portagem da ponte Maputo-Katembe para a maioria dos veículos ligeiros (classe 1) vai custar 160 meticais (2,30 euros), valor significativo para o bolso da maioria dos moçambicanos, mas os furgões de transporte coletivo (chamados ‘chapas’), autocarros e tratores vão ter um desconto de 75% e pagar 40 meticais (cerca de 60 cêntimos de euro).

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade