Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Sociedade

Angola: Conferência Nacional preconiza reforço da Política Social do Estado

| Editoria Sociedade | 16/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Luanda – Sob o lema “Pela Coesão das Famílias, Reforcemos a Acção Social nas Comunidades”, realizou-se em Luanda a Conferência Nacional da Acção Social, fórum que trouxe a debate o percurso da Protecção Social de Base no país, com base no novo paradigma conceptual de intervenção social junto dos mais vulneráveis.

Tendo em conta as condições de vida e os elevados índices de pobreza e vulnerabilidade em que se encontra parte considerável da população, a conferência realçou a necessidade de uma Política Nacional da Acção Social, uma Lei do Sistema Nacional da Acção Social e um Cadastro Social Único, para garantir maior articulação, orientação técnica, metodológica e procedimental da acção social ao nível nacional.

Os mecanismos para a materialização dessa política passam pela prevenção do risco social; protecção dos cidadãos em situação de vulnerabilidade; promoção social e cidadania; prestações sociais; intersectorialidade, multidisciplinariedade; municipalização da acção social e combate à pobreza.

Para a municipalização da acção social e do combate à pobreza, a conferência recomendou, como prioridade, a definição de critérios e instrumentos que avaliem as diversas dimensões da pobreza, como factor de emergência na redução da vulnerabilidade.

Por seu lado, o Cadastro Social Único é tido como um importante instrumento de gestão de informação, articulação e coordenação institucional dos diversos intervenientes na formulação e execução da Política de Acção Social, bem como do controlo das prestações sociais do Estado.

A questão do albinismo, das populações nómadas, vulneráveis por falta de acesso à escolaridade, à saúde e outros serviços sócias constituem desafios para o país, tal como a inclusão da pessoa com deficiência.

O fórum foi uma promoção do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), com o apoio de parceiros sociais nacionais e internacionais.  

O novo paradigma conceptual de intervenção social junto dos mais vulneráveis enquadra-se nos principais marcos das novas políticas de protecção social em Angola, que melhor se coadunam aos direitos sociais e de cidadania.

Esses direitos assentam nos três pilares da intervenção social: Prevenção, Protecção e Promoção dos Cidadãos mais Vulneráveis.

Representantes de Cabo Verde e da África do Sul passaram as experiências dos respectivos países em matérias de municipalização dos serviços da Acção Social e Transferências Sociais, enquanto o do Banco Mundial falou dos “Sistemas de Protecção Social em África”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade