Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Corno de África Da precária delimitação fronteiriça ao epicentro do radicalismo islâmico

| Editoria | 19/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Fernando Gonçalves

Corno de África refere-se a uma península localizada no nordeste de África, da qual fazem parte o Djibouti, a Eritreia, a Etiópia e a Somália, no ponto de encontro do oceano Índico, o Mar Vermelho e o Golfo de Aden. É a zona de fronteira entre a África e o Médio Oriente, o que significa que estes países possuem uma forte influência árabe.

Embora não façam exactamente parte desta região, em termos geopolíticos, países como o Quénia, o Sudão e o Sudão do Sul possuem fortes laços com o Corno de África.

A precária definição das fronteiras na região já conduziu à várias guerras sangrentas, incluindo entre a Somália e a Etiópia, de 1977 a 1978, e entre a Etiópia e a Eritreia, de 1998 a 2000. Além destas guerras, a região tem registado uma série de conflitos não armados entre o Djibouti e a Eritreia, e entre esta  e o Yemen. O conflito mais longo foi de 1961 a 1991 em que a Eritreia reivindicava a sua independência da Etiópia.

Contudo, a independência da Eritreia não significou o fim do conflito com a Etiópia, uma vez que os dois países nunca haviam chegado a acordo quanto à demarcação da sua fronteira comum. O problema da fronteira entre os dois países conduziu a uma nova guerra, que só viria a terminar, formalmente, com a assinatura de um acordo de paz em Julho de 2018, durante uma cimeira em Asmara, entre o presidente Isaias Afewerki, da Eritreia, e o novo primeiro ministro da Etiópia, Abiy Ahmed. Este acordo só foi possível depois de Ahmed ter anunciado, em Junho, que o seu governo aceitava na totalidade os termos de um acordo anterior assinado em 2000, em Argel. O restabelecimento da paz entre eles significa que a Etiópia terá acesso garantido ao mar através dos portos de Assab e Massawa, no Mar Vermelho;  vão igualmente reabrir as suas embaixadas nas respectivas capitais, permitindo a livre circulação de pessoas e o reatamento de voos.

Outra zona de conflito na região é a Somália. A guerra da Somália teve o seu início em 1986, quando o antigo presidente do país, Mohamed Siad Barre, lançou uma série de ataques contra clãs que se opunham ao seu governo. Barre viria a ser derrubado em Janeiro de 1991, provocando uma desintegração completa do país, com algumas das suas regiões a serem controladas por vários grupos rivais. Foi no meio destes combates que a Somalilândia, uma parte do país que antes estivera sob controlo britânico, decidiu separar-se do resto da Somália, declarando-se um território independente, mas sem qualquer reconhecimento por parte da comunidade internacional.

Desde 1991, a Somália tem provado ser um dos maiores desafios do sistema político internacional, com um conflito que vai tomando vários contornos, colocando em causa a segurança de toda a região do leste de África. Em Dezembro de 1992, a ONU aprovou uma resolução para o estabelecimento de uma força conjunta internacional, liderada pelos Estados Unidos, e que visava coordenar o apoio humanitário à população civil vítima das confrontações entre milícias rivais, e ao mesmo tempo tentar restabelecer a paz.

Mas a morte de mais de 30 soldados americanos, em 1993, em combates contra as milícias locais, determinaram a retirada do contingente da ONU em 1995. Desde então, a Somália ficou entregue à sua própria sorte. Abandonada pela comunidade internacional, tornou-se palco de combates de facções rivais, ao mesmo tempo que a ausência de uma autoridade central e coesa alimentava os apetites de grupos independentes ligados ao terrorismo internacional e inspirados no radicalismo islâmico.

No dia 7 de Agosto de 1998, surgiram as primeiras acções terroristas fora da Somália,  que conduziram aos atentados simultâneos contra as embaixadas dos Estados Unidos no Quénia e na Tanzânia, resultando na morte de mais de 200 pessoas.

Os ataques focalizaram, pela primeira vez, a atenção dos Estados Unidos sobre o grupo terrorista da Al-Qaeda, então dirigido por Osama Bin Laden. A Al-Qaeda na Somália transformou-se num grupo hoje conhecido por Al-Shabaab, que tem desenvolvido as suas operações não só naquele país, mas também na Etiópia, Quénia e Tanzânia. Entre 2008 e 2015, o grupo realizou um total de 272 ataques contra o Quénia e cinco contra a Etiópia, e suspeita-se que seja o mesmo que tem tentado alastrar as suas acções para Moçambique, onde terroristas inspirados no radicalismo islâmico têm realizado ataques contra populações civis desde o dia 5 de Outubro de 2017, na província do Cabo Delgado, na fronteira com a Tanzania.

Dois dos maiores ataques do grupo no Quénia mereceram a atenção da comunidade internacional. O primeiro teve lugar Setembro de 2013 contra o centro comercial de Westgate, em Nairobi, resultando na morte 71 pessoas. O segundo foi em Abril de 2015, contra a Universidade de Garissa, no nordeste do Quénia, com um saldo de 147 mortos. A situação na região tem sido motivo de grande preocupação não só da parte por parte dos governos dos países da região, mas também de outros Estados contíguos, dado que, como o caso de Moçambique bem demonstra, existe o perigo de alastramento de acções para fora dos centros tradicionalmente conhecidos como bases de grupos terroristas.  Alguns analistas acreditam que existe um movimento internacional com o objectivo de instalar células do radicalismo islâmico em vários países africanos, através da subversão das práticas tradicionais desta religião nesses países.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade