Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Opinião

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

| Editoria Opinião | 20/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Pedro Vila Nova

As recentes declarações da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre a ideia de prolongar o período de transição após o Brexit, foram interpretadas de forma diferente em Bruxelas e Londres. Para os europeus, ficou claro, que embora não rejeite essa hipótese, a líder conservadora não se mostrou abertamente interessada em avançar nesse sentido.

MAS PARA OS BRITÂNICOS A ideia que ficou, foi que ela estaria disposta a manter o país alinhado com a União Europeia, muito para além da data do Brexit, com custos políticos e financeiros acrescidos, o que não agrada aos eurocépticos.

Como confirmou a própria Theresa May no fim do Conselho da Europeu, as últimas conversações para desbloquear o impasse do Brexit emergiu a ideia de alargar o período de transição como uma possível solução para o problema do “back-stop” da Irlanda, a claúsula que a União Europeia inscreveu no acordo de saída para manter a “invisibilidade” da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte. Para o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Junker, é “uma boa ideia” porque daria às duas equipas o tempo de manobra para negociar a futura parceria política indispensável entre os dois blocos económicos e assegurar mecanismos políticos.

O presidente do Conselho Europeu afirmou que os 27 países que compõem a União responderam politicamente pela positiva, que estariam dispostos a aceitar a proposta britânica de um alargamento do prazo fixado anteriormente. Theresa May, sob o fogo das críticas dos eurocépticos liderados por Jacob Rees-Mogg, procura furtar-se à questão assumindo uma posição ambígua: “Para já existe apenas uma ideia, uma opção para alargar o prazo por mais alguns meses. Mas eu não estou aqui para propor uma extensão, até porque ficou resolvido que não seria necessário, já que estamos a trabalhar da nossa relação futura para além de Dezembro de 2020”.

Mas apesar das conversações que se arrastam sobre as modalidades do Brexit, sem resultados práticos, os britânicos começam a se manifestar nas ruas, e particularmente em Londres. Em meados do mês de Outubro, os britânicos – convocados pelo Peoples Vote –forçaram, numa manifestação monstruosa, o governo de Theresa May a inflectir a sua posição sobre o Brexit.

“Os problemas mais importantes continuam por resolver, e muitas das suas consequências continuam escondidas da opinião pública”, afirmou Carmen Smith, do movimento militante For the Future, em comunicado de imprensa. “A elite do Brexit mostrou-se incapaz de resolver o problema, por isso reclamamos novo voto popular”, sublinhou Carmen Smith.

A ideia de um novo referendo ganhou popularidade nos últimos meses, com a adesão de muitas personalidades de tendências políticas diferentes, que se juntaram ao apelo do ex-primeiro-ministro Tony Blair.

Na última manifestação de Londres em meados de Outubro, apareceram personalidades de todo o tipo, tal como o mayor de Londres, Sadiq Khan, numerosos deputados conservadores, trabalhistas, liberais-democratas, Verdes e até do Partido independentista escocês (SNP). “Uma grande maioria da minha geração votou pelo Brexit, a vossa geração mais jovem foi traída pela minha”, afirmou Vince Cable à TVA News, comentando a ruptura geracional no movimento do Brexit.

Mas são sobretudo as grande empresas industriais, grandes cadeias de distribuição e logística, instituições financeiras, que temem o pior, sem terem certezas e perspectivas nos seus negócios a curto e médio prazos. Uma grande marca do pronto-a-vestir, um grande grupo mundial de multi-média, uma grande marca de bebidas, tomam posições públicas a favor da realização de um novo referendo sobre o Brexit. A Super Dry, no sector de refrigerantes, ofereceu 1 milhão de euros a favor dos movimentos que militam para um novo referendo.

A mesma posição é partilhada pelo empresário mais mediático do Reino Unido, Richard Brason, proprietário da marca Virgin, que afirmou que os “eleitores britânicos foram mal influenciados” no referendo do Brexit, opinião que é partilhada por muitos empresários do Reino Unido, e também muitos sindicatos que temem a subida do desemprego, apesar dos bons resultados económicos dos últimos anos.

E, como foi comentado pela correspondente francesa Leyle Melkorian da RFI, a Grã-Bretanha não possui constituição e, em consequência, qualquer referendo e mesmo o Brexit não possui qualquer valor jurídico rigoroso, que não possa ser alterado. Cerca de 42 % dos britânicos estimam que nas condições actuais é necessário realizar um novo referendo sobre a União Europeia, com 40% dos inquiridos contra, que sem contar os eleitores sem opinião poderia passar a fasquia dos 51%, afirma uma recente sondagem realizada pela YouGov para o quotidiano The Times.

Enquanto não se vislumbram novos contornos, o Plano Chequers (nome da residência de Theresa May, onde se passou a reunião do governo para assentar um caminho do “meio”) continua a ser considerado uma plataforma de trabalho e de orientação nas negociações com Bruxelas, embora já tenha sido repudiado publicamente pela União Europeia, principalmente no que toca a arrecadação de receitas aduaneiras pela Grâ- Bretanha.

As negociações parecem estar num beco sem saída e o mais provável que aconteça é a prorrogação do prazo do Brexit, para além de 2020. E concluindo com uma nota bem- humorada, a posição da primeira-ministra britânica resume-se no “eu quero sair, mas quero ficar”…

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade