Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Economia

Crescimento do sector energético angolano

| Editoria Economia | 20/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Foram investidos no sector energético 17 mil milhões de dólares, ou seja, cerca de 30% da dívida pública contraída até o fim de 2017, segundo dados da Direcção de Gestão da Dívida Pública do Ministério das Finanças.

No Plano Desenvolvimento Nacional (PDN 2018-2022),  o Governo prevê um crescimento médio anual no sector de 7,7%, com melhor desempenho para este ano, em que regista um crescimento de 30% face ao ano passado, com o resultado da entrada em funcionamento do Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca, com uma potência instalada de 1.320 megawatts e do projecto de Ciclo Combinado do Soyo, cuja potência é de 480 MW. 

Nos últimos quatro anos, as perdas de energia caíram quase 10% saindo dos 1.530 GWh registados em 2014 para os 1.379 GWh do ano passado, apesar de em termos homólogos ter registado um aumento ligeiro de 5% em 2017. A nível da distribuição, no primeiro semestre de 2018, a ENDE adquiriu mais 20,7% de energia comparado ao semestre homólogo, o que aumentou cerca de 21% da energia distribuída. Sendo a electificação total do país um desafio maior, a aposta na exportação de energia para os países vizinhos, como fonte de entrada de divisas, deve ser uma preocupação e ter em conta no médio prazo.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade