Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Política

Baciro Djá diz que foi demitido de PM na Guiné-Bissau por pressões de Portugal

| Editoria Política | 27/11/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Baciro Djá, acusou o Governo português de estar por trás  da sua demissão  do cargo de chefe de governo, funções que ocupou de 2015 a 2016, por pressões de Portugal, sobre o Presidente guineense, José Mário Vaz.

O pronunciamento foi feito num comício, na aldeia de K3, no centro da Guiné-Bissau, Djá afirmou que José Mário Vaz recebeu pressões de vários chefes de Estado para o tirar da chefia do Governo, nomeadamente Portugal que não gostou do facto de ter substituído Domingos Simões Pereira, que também acusa de ser "um agente português na Guiné-Bissau".

 "Vão dizer ao Jomav que sei que ele me tirou do cargo de primeiro-ministro porque recebeu pressões de alguns chefes de Estado, sobretudo de Portugal", disse, Baciro Djá,

Parte inferior do formulário

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros de portugal, Augusto Santos Silva, negou qualquer interferência na demissão do ex-primeiro-ministro Baciro Djá, afirmando que o Governo nunca exerceu pressão sobre as autoridades guineenses e "não se imiscui" nos assuntos internos deste país.

Portugal "nunca exerceu qualquer pressão sobre qualquer autoridade da Guiné-Bissau no sentido de nomear ou demitir qualquer membro de qualquer dos órgãos de soberania da República da Guiné-Bissau".

Augusto Santos Silva garante que "a única coisa que deseja" é "estabilidade política e institucional" que permita à Guiné-Bissau percorrer "os caminhos do desenvolvimento e tirar todo o partido da cooperação com países terceiros, incluindo Portugal, em favor do seu próprio povo e no quadro das escolhas políticas que soberanamente entenda fazer".

O antigo governante disse também que o ex-primeiro-ministro guineense Domingos Simões Pereira foi condecorado por Portugal e "quando assim é esse país não gosta de ver cair a pessoa".

Baciro Djá de 45 anos, foi chefe do Governo da Guiné-Bissau,  de 2015 e 2016,  actualmente, lidera a Frente Patriótica de Salvação Nacional (Frepasna), foi primeiro-ministro entre 20 de Agosto e 17 de Setembro de 2015, e mais tarde, entre 27 de maio a 18 de Novembro de 2016.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade