Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Saúde

Guiné-Bissau e São Tome com níveis de desnutrição elevados na CPLP

| Editoria Saúde | 13/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Guiné-Bissau e São Tome e Príncipe apresentam os níveis de desnutrição mais elevados da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), dados “preocupantes” que exigem “alguns apoios”, admitiu Manuel Lapão, director de cooperação daquela organização.

Esta é uma questão que "vai ter, com certeza, algum investimento nos próximos anos", acrescentou o responsável, à margem de um seminário que decorreu, na sede da CPLP, em Lisboa, para apresentação do estudo sobre a caracterização da agricultura familiar de cada um dos Estados-membros daquela Comunidade, para que o relatório completo possa ainda ser apresentado no primeiro trimestre de 2019.

Das conclusões preliminares apresentadas terça-feira pelos consultores que realizaram o estudo, Manuel Lapão destacou também o facto positivo de que a produção da agricultura familiar cresceu "de forma significativa em alguns dos países da CPLP", como foi o caso de Angola, onde, disse, o nível de desnutrição baixou.

Consagrar aquilo que é a caracterização da pequena agricultura familiar no espaço da CPLP, que produz 80% das necessidades de consumo, mas com um nível de rendimento que não ultrapassa os 10%, é agora o desafio ao nível da CPLP, sublinhou Manuel Lapão.

O director de cooperação da CPLP sublinhou que a desnutrição baixou de forma significativa na maioria dos Estados-membros, considerando este um aspecto positivo. Apontou, contudo, o caso da Guiné-Bissau e de São Tomé e Príncipe, países em que se registou um aumento ligeiro, situação que considera de “preocupante”.

Angola, Moçambique e Guiné-Bissau estão entre os países africanos onde os choques climáticos foram uma das causas de crises alimentares em 2017, segundo um relatório das Nações Unidas, apresentado em Setembro, em Roma.

Esta foi uma das principais conclusões da avaliação global sobre segurança alimentar e nutricional (SOFI 2018), elaborada por cinco agências da ONU, incluindo a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A avaliação foi pessimista, realçando que os objectivos de erradicação da fome em 2030 estão em risco, face ao crescimento da situação de fome, que atingiu 821 milhões de pessoas em 2017, ou seja, um em cada nove habitantes do mundo.

O SOFI 2018 destaca que a segurança alimentar e a nutrição são tanto mais afectadas quanto maior for o grau de exposição e a vulnerabilidade dos países aos choques provocados pela variabilidade e extremos climáticos.

Os choques climáticos são uma das causas associadas às crises alimentares, em alguns casos agravadas por conflitos, sendo África, Ásia, América Latina e Caraíbas as regiões mais atingidas.

Angola, Moçambique e Guiné-Bissau estão também na lista dos países afectados por várias formas de malnutrição, incluindo crianças com desnutrição crónica (prevalência maior ou igual a 20%), anemia nas mulheres (prevalência maior ou igual a 40%) e obesidade em adultos (prevalência maior ou igual a 20%).

Segundo o relatório das Nações Unidas, das 821 milhões de pessoas com fome registadas em 2017 em todo o mundo, cerca de 256 milhões viviam em África.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade