Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Economia

Estados Unidos financiam educação de meninas no Mali

| Editoria Economia | 13/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo maliano acaba de lançar um projecto financiado pelos Estados Unidos, denominado USAID/Mali GLEE (Liderança e Empoderamento das Meninas através da Educação), em Mopti, no centro do Mali, soube-se de fonte oficial.

Financiado em 23,9 milhões de dólares (11,9 biliões de francos CFA), pelo Governo norte-americano, através da sua Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o projecto visa acompanhar o Mali nos seus esforços de recuperação e diminuir as principais barreiras ao acesso das raparigas à educação de qualidade nas regiões de Kayes e Mopti.

Estas duas províncias registam a menor taxa de escolarização das meninas e o maior número de abandonos escolares, no Mali.

O projecto, para durar cinco anos (2018-2023), vai contribuir para melhorar a segurança nas escolas e comunidades, aumentar os conhecimentos das raparigas e adoptar comportamentos positivos em matéria de saúde das adolescentes.

Vai intervir em 11 concelhos (prefeituras) de Kayes e de Kéniéba, na província de Kayes (oeste) e em outros 12 em Bankass e Bandiagara, na província de Mopti (Centro).

Nas duas províncias, 272 escolas serão abrangidas e mais de 60 mil raparigas de 10 a 18 anos que abandonaram a escola ou não escolarizadas terão acesso à educação básica de qualidade, enquanto mais de 80 mil bolsas serão oferecidas pelo projecto e 800 docentes serão formados.

O mesmo será executado por um consócio de cinco ONG internacionais e nacionais, em parceria com o Ministério da Educação Nacional, estruturas dos ministérios da Saúde e Promoção da Mulher, Criança e Família e do Ambiente.

Intervindo durante o lançamento do projecto, o ministro da Educação Nacional, Abinou Témé, falou da situação escolar nas comunidades em que não existem infraestruturas escolares ou assoladas por conflitos, obrigando as crianças a permanecer em casa e a dedicar-se ao trabalho doméstico, acabando por casar-se forçada ou precocemente.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade