Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Economia

Estados Unidos financiam educação de meninas no Mali

| Editoria Economia | 13/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo maliano acaba de lançar um projecto financiado pelos Estados Unidos, denominado USAID/Mali GLEE (Liderança e Empoderamento das Meninas através da Educação), em Mopti, no centro do Mali, soube-se de fonte oficial.

Financiado em 23,9 milhões de dólares (11,9 biliões de francos CFA), pelo Governo norte-americano, através da sua Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o projecto visa acompanhar o Mali nos seus esforços de recuperação e diminuir as principais barreiras ao acesso das raparigas à educação de qualidade nas regiões de Kayes e Mopti.

Estas duas províncias registam a menor taxa de escolarização das meninas e o maior número de abandonos escolares, no Mali.

O projecto, para durar cinco anos (2018-2023), vai contribuir para melhorar a segurança nas escolas e comunidades, aumentar os conhecimentos das raparigas e adoptar comportamentos positivos em matéria de saúde das adolescentes.

Vai intervir em 11 concelhos (prefeituras) de Kayes e de Kéniéba, na província de Kayes (oeste) e em outros 12 em Bankass e Bandiagara, na província de Mopti (Centro).

Nas duas províncias, 272 escolas serão abrangidas e mais de 60 mil raparigas de 10 a 18 anos que abandonaram a escola ou não escolarizadas terão acesso à educação básica de qualidade, enquanto mais de 80 mil bolsas serão oferecidas pelo projecto e 800 docentes serão formados.

O mesmo será executado por um consócio de cinco ONG internacionais e nacionais, em parceria com o Ministério da Educação Nacional, estruturas dos ministérios da Saúde e Promoção da Mulher, Criança e Família e do Ambiente.

Intervindo durante o lançamento do projecto, o ministro da Educação Nacional, Abinou Témé, falou da situação escolar nas comunidades em que não existem infraestruturas escolares ou assoladas por conflitos, obrigando as crianças a permanecer em casa e a dedicar-se ao trabalho doméstico, acabando por casar-se forçada ou precocemente.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade