Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Ambiente

El Niño estará de volta em 2019

| Editoria Ambiente | 13/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

De acordo com a última análise da Organização Meteorológica Mundial da ONU (OMM ), existe uma probabilidade de 75% a 80% de um evento El Niño de aquecimento climático em Fevereiro de 2019, com 60% de chance de continuar até Abril, no mundo inteiro. O último evento El Niño terminou em 2016 e ajudou a tornar esse ano o mais quente já registrado, aumentando o aquecimento causado pelas emissões de carbono da terra. O evento de 2019 não está previsto para ser tão forte quanto o de 2016.

Os eventos do El Niño acontecem naturalmente a cada poucos anos e decorrem de temperaturas anormalmente altas do oceano no Pacífico ocidental. Eles têm uma grande influência no clima em todo o mundo, trazendo secas para lugares normalmente húmidos, como partes da Austrália, e inundações para regiões normalmente mais secas, como na América do Sul. As altas temperaturas também causam grande clareamento nos recifes de corais.

 “Não é esperado que o El Niño seja tão poderoso quanto o evento em 2015-2016”, disse Maxx Dilley, director da divisão de previsão e adaptação climática da OMM. “Mesmo assim, ainda pode afectar significativamente os padrões de chuva e temperatura em muitas regiões, com consequências importantes para a agricultura e a segurança alimentar, e para o gerenciamento dos recursos hídricos e da saúde pública. Também pode combinar com a mudança climática de longo prazo para impulsionar as temperaturas globais de 2019 ”, acrescentou Maxx Dilley.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade